Províncias

Jovens satisfeitos com formação profissional

Marcelo Manuel| Ndalatando

As políticas do Governo Provincial do Kwanza-Norte na área da formação profissional e ensino geral satisfazem os jovens de cidade de Ndalatando.

Estão a ser ministrados vários cursos de artes e ofícios para combater o desemprego
Fotografia: JA

As políticas do Governo Provincial do Kwanza-Norte na área da formação profissional e ensino geral satisfazem os jovens de cidade de Ndalatando.
O ensino técnico e profissional tem sido acompanhado da abertura de concursos públicos para recrutamento dos diplomados.
A reportagem do Jornal de Angola ouviu, em Ndalatando, estudantes, funcionários públicos, agentes da polícia nacional e outros cidadãos, que afirmaram que, embora de forma vagarosa, nos últimos tempos, o Estado presta maior atenção à formação profissional e ao ensino oficial.
Pedro António, estudante do curso superior de física, está surpreendido com a dinâmica do Executivo, porque nos últimos cinco anos, a cidade de Ndalatando ganhou a escola superior politécnica e a escola superior pedagógica que ministram cursos de economia, direito, informática e ciências de educação.
"Tenho a plena certeza de que nos próximos cinco anos, a província do Kwanza-Norte tem recursos humanos suficientes para os vários domínios da vida pública, situação que pode garantir o desenvolvimento social, económico e cultural da região", afirmou.
A estudante Sónia António apontou a criação dos centros de formação profissional e os pavilhões de artes e ofícios como "medidas inteligentes para o combate ao desemprego e a redução da fome e a pobreza no seio das famílias angolanas, porque estas instituições garantem formação até aos analfabetos". Sónia António defende que deviam existir centros de formação profissional em todas as comunas do país "como forma de qualificar as pessoas do interior do país o que facilitava o emprego para todos".

Vagas de emprego

Os sectores da Educação, Saúde e Interior são os que mais vagas de emprego garantem à juventude da província do Kwanza-Norte. />No ano passado, acrescentou, os serviços de educação e de saúde admitiram mais de mil pessoas, enquanto este ano se aguarda a inserção de mais 1.080 que já fizeram os concursos públicos.

Áreas de formação

O Instituto Nacional de Formação Profissional (INEFOP) de Ndalatando formou mais de três mil jovens nos últimos 14 anos. Maurício Miguel, da direcção da instituição, afirmou que a reabertura dos centros de formações profissionais em 1997, e a construção dos pavilhões de artes em 2008, permitiram a formação no Kwanza-Norte de 3.352 jovens desempregados.
Maurício Miguel disse que as áreas de formação mais frequentadas são as de desenho artístico, alvenaria, carpintaria, corte e costura, serralharia, informática, refrigeração, canalização, decoração, mecânica e agricultura. Desde o ano de 2006, 96 jovens tiveram acesso directo ao mercado de emprego, na sua maioria em instituições de construção civil.

Melhores alunos

O Instituto Nacional de Formação Profissional adoptou o sistema de seleccionar os melhores alunos de cada curso, para trabalharem como formadores nas mesmas instituições onde se formaram, situação que proporcionou o emprego a 11 jovens. Maurício Miguel está preocupado pelo facto de nos últimos tempos haver pouca adesão por parte da juventude aos cursos de carpintaria, porque proporciona poucas oportunidades de emprego.
Sublinhou que no presente ano lectivo, foram inscritos 1.309 formandos, dos quais 996 foram admitidos, cuja frequência às aulas começou no início de Março passado. Os cursos terminam em Novembro próximo.
Os cursos estão a ser ministrados em três centros de formação, situados nos municípios de Cazengo, Cambambe, Ambaca, Samba Caju, Kikulungo.

Tempo

Multimédia