Províncias

Kwanza-Norte vacina milhares de crianças

Kátia Ramos | Ndalatando

As autoridades sanitárias da província do Kwanza-Norte prevêem vacinar contra a poliomielite cerca de 118 mil crianças, dos zero aos cinco anos, durante a próxima campanha de vacinação, que começa amanhã.

A população foi aconselhada a aderir à campanha para que todas as crianças da região possam ser vacinadas contra a poliomielite
Fotografia: Jornal de Angola

O supervisor provincial de promoção de saúde, Alfredo Caetano, disse que a campanha conta com 134 supervisores, 640 equipas de vacinação e 594 mobilizadores e estão preparadas mais de 130 mil doses de vacina.
Do pessoal envolvido, acrescentou, constam 38 voluntários, 20 dos quais agentes da Polícia Nacional, dez militares das Forças Armadas Angolanas e oito funcionários do supermercado “Nosso Super”. Alfredo Caetano disse que a poliomielite está a ser encarada com grande responsabilidade, por ser uma doença que já causou luto e desespero em várias gerações.
“Cada caso positivo pode contaminar outras 100 mil crianças”, disse o responsável, acrescentando que as escolas, igrejas e mercados públicos vão ser os principais alvos dos vacinadores, além das residências, uma vez que a campanha vai também ser feita de porta em porta.
A promoção da saúde, disse, tem vindo já a sensibilizar a população, com    a realização de palestras nos vários sectores da região, onde têm participado encarregados de educação, professores e outras entidades encarregues de transmitir os perigos da doença nas comunidades. Por outro lado, na Lunda-Sul estão ser preparadas várias equipas para a partir de amanhã vacinarem contra a poliomielite cerca de cem mil crianças até aos 5 anos, anunciou o chefe do Programa Alargado de Vacinação (PAV).
Alberto Lupupu disse terem sido leccionadas 640 pessoas, entre vacinadores e mobilizadores, que vão ser distribuídas por 217 equipas
Alberto Lupupu lamentou a postura de algumas seitas religiosas que incentivam os fiéis a ignorarem a vacina e elogiou a colaboração das autoridades tradicionais na mobilização das comunidades para a adesão às campanhas.

Tempo

Multimédia