Províncias

Lucala tem escola de formação de professores

André Brandão| Ndalatando

Uma escola de formação de professores para o ensino geral e um centro polivalente de artes e ofícios foram inaugurados na semana finda, na vila do Lucala, pelo ministro da Educação, Mpinda Simão.

Construção da escola e do centro profissional vai aumentar os níveis académicos dos jovens e melhorar a qualidade de ensino na região
Fotografia: Jornal de Angola

Uma escola de formação de professores para o ensino geral e um centro polivalente de artes e ofícios foram inaugurados na semana finda, na vila do Lucala, pelo ministro da Educação, Mpinda Simão.
As inaugurações, testemunhadas pelo governador provincial do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, enquadram-se no âmbito das actividades alusivas aos 36 anos da Independência Nacional.
A escola possui oito salas, cinco gabinetes administrativos, sendo assegurada por oito professores.
Actualmente, a instituição acolhe 134 alunos, distribuídos em dois grupos, dos quais 36 do sexo feminino. A unidade académica tem dois dormitórios com 130 camas. A edificação da mesma custou 3,24 milhões de dólares.
Já a escola polivalente e profissional de formação básica de artes e ofícios, que constitui outra unidade de formação integrada na mesma escola, é projecto educacional mais recente, uma parceria do Ministério da Educação e a ONG ADPP.
A unidade vai oferecer formação escolar do primeiro ciclo do ensino secundário, combinada com cursos técnico-profissionais de nível básico aos jovens dos 12 aos 18 anos, com a sexta classe concluída.
O centro polivalente tem nove cursos diferentes, como de agente comunitário de saúde, assistente de informação e comunicação social, água, energia, auxiliar agro-alimentar, cozinha, educação pré-escolar, dinamizador do desenvolvimento comunitário e promotor de ambiente.
As primeiras nove escolas polivalentes e de formação profissional básica encontram-se nas províncias de Luanda, Benguela, Cabinda, Huambo, Namibe e, agora, no Kwanza-Norte.
O referido projecto contempla igualmente a edificação de uma quadra desportiva, áreas de lazer e um campo agrícola para o sustento dos alunos internados.
A comunidade juvenil da circunscrição aguarda com ansiedade pela conclusão das obras para poderem aderir aos cursos que aí vão ser ministrados, com vista ao ingresso no mercado de trabalho.
O ministro Mpinda Simão informou que a Escola de Professores do Futuro, do município de Lucala, vai aumentar a oferta formativa de docentes para o ensino primário, contribuindo assim para a redução das assimetrias entre os centros urbanos e o meio rural.

Mais professores na região

Para o responsável, a implantação destas unidades de educação e formação profissional traduz as políticas do Executivo nos domínios da expansão da rede escolar, melhoria da qualidade e valorização do professor. O titular da Educação acrescentou que a construção da escola e do centro educacional se inscreve na aplicação dos programas que o Ministério desenvolve, no quadro da cooperação bilateral com a Coreia do Sul e a ADPP, nos últimos 25 anos.
Mpinda Simão disse ainda que as escolas ligadas à ADPP estão voltadas para a formação de professores para o ensino primário.
“Estas têm vindo a afirmar-se como centros pedagógicos de referência, não só pelo seu plano de formação, mas também pelo apoio prestado às escolas do ensino primário da sua zona de influência, o que se espera que ocorra também no Lucala, que passa a ter responsabilidades acrescidas no desenvolvimento de iniciativas que devem promover a qualidade do ensino e da aprendizagem”, disse.

Milhares de professores no mercado de trabalho

O ministro disse que as escolas da ADPP, representadas em 12 das 18 províncias do país, permitiram a graduação de mais de 3.500 professores do ensino primário diplomados. “Estes já leccionam e com boas referências de desempenho pedagógico”.
O governador do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, avançou que a construção da escola e do centro profissional vai aumentar os níveis académicos dos jovens e melhorar a qualidade de ensino no Lucala e na província.
Henrique Júnior considerou que a melhoria da qualidade de ensino depende, em grande medida, da boa formação básica dos alunos, precedidas por uma adequada formação profissional daqueles que têm a missão de dirigir o processo de ensino e aprendizagem.
O governador Henrique Júniordisse que todas as políticas do Executivo angolano, que dizem respeito à reconstrução e desenvolvimento do país, só serão exequíveis se forem correspondidas com a existência de mão-de-obra qualificada para efeito. Henrique Júnior apelou a juventude para tirar maior proveito das duas opções de formação postas à sua disposição, fazendo mesmo, se possível, uma combinação entre ambas, para que possam se tornar capazes de se inserirem nos vários domínios da vida académica e profissional, permitindo que a província prospere.

Tempo

Multimédia