Províncias

Mais de meio milhar de jovens apto para o mercado de trabalho

Marcelo Manuel | Ndalatando

 Ao todo, 583 jovens concluíram, recentemente, no Kwanza-Norte, em nove centros e pavilhões de artes e ofícios, três deles itinerantes, do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), vários cursos.

Muitos jovens no Kwanza-Norte estão a beneficiar de formação profissional no âmbito do programa de combate ao desemprego
Fotografia: Marcelo Manuel | Ndalatando

 Ao todo, 583 jovens concluíram, recentemente, no Kwanza-Norte, em nove centros e pavilhões de artes e ofícios, três deles itinerantes, do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), vários cursos.
Os cursos, todos de nove meses, de carpintaria, corte e costura, serralharia, informática, agricultura, alvenaria, alfabetização e decoração, decorreram nos municípios de Cazengo, Samba Cajú, Ambaca, Cambambe e Golungo Alto.
Na cerimónia oficial de encerramento, realizada na quarta-feira, em Ndalatando, o vice-governador provincial para a esfera económica lembrou que as acções de formação profissional são uma aposta do Executivo para garantir um futuro melhor à juventude.
Pereira da Silva disse acreditar que, com os conhecimentos adquiridos, os formandos vão saber responder aos desafios do Estado relativos ao desenvolvimento socioeconómico de Angola em geral e, em particular, do Kwanza-Norte.
As acções de formação, afirmou, vão permitir também aos jovens obterem rendimentos para o sustento das famílias e melhorarem as condições de vida.
O vice-governador pediu aos formandos o melhor desempenho nas suas actividades para corresponderem às expectativas das entidades empregadoras e agradeceu o esforço do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança e Social e do INEFOP de proporcionarem formação aos jovens desempregados.
Pedro Sebastião, em representação do director provincial da Administração Pública Emprego e Segurança Social, salientou a importância dos cursos de formação profissional “vocacionados para aliviarem as dificuldades de obtenção de rendimentos salariais” por parte dos jovens.
O formando Adrúbal Emanuel disse que a formação que recebeu lhe deu conhecimentos que lhe permitem exercer a profissão pela qual optou e pediu aos empresários locais que valorizem as aptidões profissionais dos recém-formados e evitem o recrutamento de técnicos de outras províncias.
 
Melhor aluno já tem emprego
 
Silvestre da Purificação, o melhor aluno de corte e costura do centro de Ndalatando, conseguiu emprego no Estado, como formador na área de alfaiataria, devido ao desempenho e dedicação demonstrados no curso.
O jovem criou, em nove meses, cerca de 40 trajes, africanos e ocidentais, com tecidos como a samacaca do Congo ou adquiridos em Luanda. Silvestre afirmou que trabalha na área da moda há cinco anos, mas que só agora teve uma formação do género. Os centros de formações profissionais no Kwanza-Norte, desde 1977, formaram 3.385 jovens em várias áreas.

Tempo

Multimédia