Províncias

Melhores condições sociais na Comarca de Ndalatando

Marcelo Manuel | Ndalatando

A melhoria da dieta alimentar, o reforço da qualidade dos serviços de saúde e a construção de mais três salas para a educação dos reclusos estão entre as principais realizações projectadas para este ano, pela direcção provincial dos Serviços Prisionais da Comarca do Cuanza, em Ndalatando.

Director em exercício da Comarca do Cuanza
Fotografia: Nilo Mateus

O director em exercício daquela instituição, Miguel Manuel, que falava à imprensa, por ocasião do 35º aniversário dos serviços prisionais, disse que o seu pelouro trabalha no sentido de garantir a humanização dos detidos.
Nos últimos anos foram criadas condições que permitem aos presos prosseguir os seus estudos, do ensino primário à 9ª classe, a par da formação profissional e moral, tidas como pilares imprescindíveis para a sã convivência dos detidos. Miguel Manuel afirmou, por isso, o seu profundo reconhecimento à direcção provincial da Educação pelo apoio em material didáctico, professores e alfabetizadores.
Firmino Candeias, em nome da delegação provincial do Ministério do Interior, recordou que os serviços penitenciários emergiram da necessidade de sistematizar e harmonizar o funcionamento do sistema judicial angolano.
Os serviços penitenciários devem, por isso, ser encarados num âmbito mais vasto do sistema da justiça penal, cabendo-lhe neste conjunto de instituições uma série de tarefas específicas, principalmente no que diz respeito à garantia da segurança e protecção da sociedade contra o crime e à reinserção social dos indivíduos sujeitos a cumprimento de penas.
Firmino Candeias sublinhou a urgência de serem da criadas mais condições dignas para a reeducação e garantiu que a delegação do Ministério do Interior tem prevista a construção de mais uma unidade prisional, a ser erguida a curto ou médio prazo, para descongestionar a única penitenciaria existente, criada para 250 reclusos, mas que nesta altura tem  410.
A Comarca do Cuanza tem 327 presos condenados, dos quais 314 dos sexo masculino (dois são estrangeiros) e 77 detidos que aguardam julgamento.

Tempo

Multimédia