Províncias

Menos casos de violência doméstica

A Repartição Municipal da Família e Promoção da Mulher no município de Cambambe, Cuanza Norte, notificou de Janeiro a Dezembro, 239 conflitos familiares de natureza diversa.

Famílias aconselhadas a promover o diálogo por ser a melhor via para resolução de casos
Fotografia: Santos Pedro

A responsável da instituição, Madalena Francisco, apontou à Angop a redução de 37 casos em relação ao período homólogo de 2013. Entre os casos notificados, destacam-se 72 casos de incumprimento de mesada, 27 conflitos laborais, enquanto as ofensas corporais e ofensas morais registaram 13 casos cada.
Ameaças de morte, privação de bens, fuga à paternidade e adultério constam ainda entre os casos registados.
Do total de notificações emitidas, 88 cidadãos recusaram-se a comparecer a fim de deporem sobre as acusações levantadas contra si, facto que deu lugar à transferência de dez casos para a Procuradoria-Geral da República.
Madalena Francisco considerou a diminuição dos conflitos como resultado de diversas palestras desenvolvidas durante o ano e que permitiram a elevação da consciência das famílias a fim de optarem pelo diálogo como principal via de solução de conflitos.

Violência doméstica 

O município de Ambaca registou 26 casos de violência doméstica em 2014, contra 38 em 2013, informou em Camabatela a responsável do Ministério da Família e Promoção da Mulher, Teresa Miguel da Silva. A Polícia Nacional recebeu dois dos casos de desentendimento, por transcenderem as competências do sector, ao passo que os demais foram solucionados pontualmente. />A diminuição dos casos de violência doméstica no município deveu-se às campanhas de sensibilização que o sector realiza, com vista a explicar às populações as consequências de tais práticas.
Teresa Miguel da Silva considera que levar a informação às comunidades constitui a melhor forma de contribuir para a diminuição dos casos de violência doméstica, pois muitas pessoas cometem estes crimes por ignorância.
Do total de conflitos domésticos notificados, constam a fuga à paternidade, com uma diminuição de dez casos em relação aos dados de 2013. Actos de abandono de lar, incumprimentos de mesada e desalojamentos, entre outros, constaram ainda dos conflitos domésticos notificados no município de Ambaca. A incapacidade económica e financeira de muitos pais é uma das causas da violência doméstica em geral e da fuga à paternidade, em particular, havendo casos em que os pais negam a paternidade por desconfianças de infidelidade conjugal do lado da cônjuge.
As famílias são aconselhadas a promover o diálogo, visto ser esta a via eficaz para a eliminação de todas as diferenças nos lares. O município tem uma população de 60.835 pessoas, divididas pela sede e pelas comunas do Luinga, Mâua, Tango e Bindo. A sede, vila de Camabatela, situa-se 180 quilómetros a nordeste de Ndalatando.

Tempo

Multimédia