Províncias

Milhares de grávidas recebem assistência

Kátia Ramos | Ndalatando

O Centro Provincial Materno Infantil de Ndalatando, província do Kwanza-Norte, atendeu no ano passado, 11.473 mulheres grávidas, que acorreram à instituição para realizarem as consultas de pré-natal.

Parteiras durante um seminário de capacitação
Fotografia: Jornal de Angola

O Centro Provincial Materno Infantil de Ndalatando, província do Kwanza-Norte, atendeu no ano passado, 11.473 mulheres grávidas, que acorreram à instituição para realizarem as consultas de pré-natal.
De acordo com a responsável do centro, Branca Domingos Francisco, 1.728 grávidas eram menores de 18 anos, número que desceu muito em relação a 2009 que chegou a atingir as 3.482 grávidas menores de 18 anos. 
O Centro Materno Infantil registou 9.679 consultas a crianças, que foram vacinadas contra o sarampo, febre-amarela e contra outras enfermidades. Também receberam a vacina BCG e a pentavalente. Diariamente, o centro atende mais de 80 mulheres e 115 crianças.
Branca Domingos informou que o Centro Materno Infantil do município do Cazengo funciona com apenas duas salas de atendimento, insuficientes para o elevado número de grávidas e crianças que diariamente acorrem à unidade de saúde.
No centro trabalham 12 técnicos de saúde e auxiliares. A falta de alguns equipamentos e o reduzido número de consultórios tem dificultado o trabalho dos profissionais.
As consultas de rotina às grávidas servem para pesquisar malária, análises de fezes e urina II, infecções de VDRL, sífilis e outras.
O centro todos os dias presta informações relativamente ao planeamento familiar, aleitamento materno, higiene da mulher grávida, aconselhamento, análises de rotina e HIV/Sida.
 
 Bombeiros registam  mais de cem mortos

Os Serviços de Bombeiros na província do Kwanza-Norte registaram, durante o ano passado, 339 ocorrências diversas, que resultaram em 112 mortos e 173 feridos, disse ao Jornal de Angola, o porta-voz do órgão, sub-chefe Estêvão Castigo.
Entre as ocorrências, o destaque vai para 133 incêndios que causaram a morte a quatro pessoas, igual número de feridos e danos avaliados em 10,8 milhões de kwanzas.
O porta-voz acrescentou que, entre as mortes, 24 foram por afogamento. Entre os incêndios, 42 foram causados por negligência no uso de vela acesa, 49 por curto-circuitos e 16 casos de fogo posto. Os incêndios tiveram lugar nos municípios de Cazengo, com 94 casos, Kambambe 36, Ambaca, Lucala e Banga.
Destaque ainda para 10 desabamentos em consequência das chuvas, tendo afectado residências, escolas, e muros de vedação.
 Como resultado, cerca de 500 pessoas ficaram sem abrigo nos municípios do Cazengo, Kambambe, Lucala, Ambaca, Ngonguembo, Samba-Caju, e Banga.
Registo ainda para duas inundações, duas electrocussões, seis suicídios, duas fugas de gás e 68 invasões de enxames de abelhas.
 Estêvão Castigo afirmou que o número de ocorrências registadas no ano passado é superior aos 176 casos de 2009.
O porta-voz disse que, durante a quadra festiva, foi instalado um destacamento de prevenção rodoviária, resgate e salvamento e extinção de incêndios no morro do Binda, e a interdição da circulação de veículos pesados de passageiros e carga (autocarros e camiões) no troço Dondo-Ndalatando.
As medidas, disse o porta-voz, fizeram com que na quadra festiva não fosse registado qualquer óbito no morro do Binda.
O destacamento criado no local foi constituído por forças do comando provincial de protecção civil, efectivos da unidade de trânsito local e elementos pertencentes à Brigada Especial de Trânsito (BET), saídos de Luanda.

Tempo

Multimédia