Províncias

Milhares de vagas nos centros de formação

Marcelo Manuel | Ndalatando

Mais de 1.200 vagas estão disponíveis, no presente ano, nos 11 centros de formação técnico-profissional de carácter fixo e itinerantes do Estado, revelou ontem, em Ndalatando, o director provincial do Instituto Nacional de Formação Profissional (Inefop) do Cuanza Norte.

Director do Inefop lamentou o facto de a instituição ter excluído centenas de jovens por falta de salas
Fotografia: Edições Novembro

Maurício Pedro referiu que os cursos são de carpintaria, alvenaria, electricidade de baixa tensão, corte e costura, informática, decoração, mecânica, culinária, pastelaria, técnicas agrárias, frio e canalização.
Em termos de vagas, o centro de formação profissional de Ndalatando inscreveu, para este ano, 250 candidatos para os cursos disponíveis, sendo 30 formandos para cada área.
O responsável provincial do Inefop lamentou o facto de a instituição ter de excluir perto de 100 jovens, por falta de salas.
Realçou que os formandos estão com idades entre os 18 e os 35 anos. Estes candidatos são submetidos a entrevistas com perguntas inerentes ao curso que pretendem frequentar, para acautelar as ofertas de emprego que possam surgir depois da conclusão do período de formação.
Sublinhou que, entre 2015 e 2016, o Inefop encaminhou para o mercado de emprego 30 jovens, que actualmente emprestam o seu saber nas obras de construção da barragem de Laúca e no projecto Biocom, na província de Malanje.
Maurício Pedro destacou as empresas do ramo de construção civil como as que mais absorvem a mão-de-obra de técnicos formados a nível dos centros de formação profissional local. Lançados no mercado. O director referiu que, desde 1996 até agora, as unidades de formação técnica e profissional públicas a nível do Cuanza Norte já formaram mais de dez mil técnicos em diversas áreas.
O responsável do Inefop frisou que a cada ano que passa a procura pelos cursos da instituição tem sido maior, em função das possibilidades de criação e fomento do auto-emprego, proporcionados pela formação adquirida. Maurício Pedro revelou que a província do Cuanza Norte conta com um total de 11 unidades formativas, sendo dois centros integrados de emprego e formação profissional, um de formação profissional, três pavilhões de artes e igual número de instituições de carácter itinerante.
As mesmas encontram-se nos municípios de Ambaca, Cambambe, Cazengo, Samba Caju, Quiculungo e Golungo Alto.

Tempo

Multimédia