Províncias

Ndalatando tem Instituto Politécnico

Manuel Fontoura | Ndalatando

A província do Kwanza-Norte conta, desde segunda-feira, com um Instituto Superior Politécnico, afecto à Universidade Kimpa Vita, da sétima região académica, com sede no Uíge, inaugurado pelo governador Henrique André Júnior.

Governador Henrique Júnior
Fotografia: Nilo Mateus Ndalatando

A província do Kwanza-Norte conta, desde segunda-feira, com um Instituto Superior Politécnico, afecto à Universidade Kimpa Vita, da sétima região académica, com sede no Uíge, inaugurado pelo governador Henrique André Júnior.
A referida instituição vai ministrar, numa primeira fase, cursos de bacharelato e licenciaturas em Informática de Gestão, Contabilidade e Gestão e Análises Clínicas.
O vice-reitor para a área científica da Universidade Kimpa Vita, Heitor Manuel Timóteo, disse que cerca de 330 estudantes têm vagas garantidas para o presente ano lectivo, de um total de 856 submetidos aos testes de selecção. As aulas são asseguradas por 31 professores.
Heitor Manuel Timóteo, que falava em representação do reitor da Universidade, Carlos Diakanamwa, considerou a inauguração de “momento histórico” para a região norte do país e, em particular, para o Kwanza-Norte.
Para o académico, estes feitos confirmam que o Executivo, liderado pelo Presidente José Eduardo dos Santos, tem políticas claras para o desenvolvimento do ensino superior ao identificar os pontos de estrangulamento, nos domínios da compreensão e gestão da Universidade Kimpa Vita, como uma instituição pública circunscrita às províncias do Uíge e Kwanza-Norte.
Heitor Manuel Timóteo é de opinião que a instituição superior no mundo que se transforma deve guiar-se por três critérios determinantes, pertinência, qualidade e internacionalização.
Os critérios de qualidade e pertinência, afirmou, referem-se especialmente à satisfação, como um todo, dos processos, produtos e expectativas da sociedade em formação de recursos humanos, desenvolvimento económico e social de carácter local e nacional, avanços do conhecimento científico e tecnológico e o aumento do compromisso prático com o país.
O vice-reitor frisou que a visão da reitoria assenta numa universidade inovadora, a fim de torná-la numa instituição de referência nacional e internacional, em termos de serviços de formação alicerçada na dinâmica do saber universal.
Aquele académico reafirmou que a missão do Instituto Superior é a de ser pilar do reforço da capacidade endógena, da democracia e da paz para formar quadros com perfis profissionais altamente qualificados e responsáveis nas diferentes áreas do saber, com competência para investigar e prestar serviços à comunidade, bem como defender o respeito da diversidade intelectual, artística, institucional e política.
Heitor Timóteo anunciou que a universidade pretende assessorar os municípios, oferecendo cursos modulados para capacitação e certificação profissional dos quadros a nível local, de forma a evitar o êxodo rural.
Num futuro próximo, o Instituto Superior Politécnico do Kwanza-Norte vai optar pela distribuição de quotas aos municípios e comunas para que não haja assimetrias de desenvolvimento intelectual, uma forma de garantir o desenvolvimento sustentável na província.
O governador provincial do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, disse que a inauguração daquela unidade académica se insere no quadro das políticas do Executivo viradas à expansão do ensino superior público em Angola.
Segundo o governante, a referida infra-estrutura é mais um marco importante nas tarefas a serem desenvolvidas em prol da potenciação técnico-científica da juventude, pelo que se junta à Escola Superior Pedagógica, que já lançou no mercado de trabalho mais de 500 bacharéis, desde a sua abertura em 200, o que deixa-nos satisfeito.
“Esperamos que a nova escola tenha também a missão de formar homens capazes de contribuírem para a boa gestão, transparência e dinâmica do saber universal”, disse Henrique Júnior.

Unidade de referência

O governador disse esperar que a nova unidade de ensino superior seja uma instituição de referência na província, na região académica em que está inserida, assim como no país, pautando-se em princípios de respeito e valorização do ser humano, na liberdade académica e expressão do conhecimento científico, no cumprimento e respeito das leis nacionais e internacionais, bem como na aplicação do saber em prol da justiça social.
Henrique Júnior salientou que a promoção da actividade académica, pedagógica e científica, assim como o respeito da autonomia e da liberdade académica são pressupostos que devem ser bem observados para que tenham uma escola verdadeiramente virada à investigação científica, ao saber e ao serviço da sociedade.
Apelou ao corpo directivo da instituição e aos estudantes no sentido de zelarem pela conservação do imóvel e equipamentos ali instalados, bem como os incentivou a dedicarem-se com afinco às tarefas do ensino e investigação, condição para a formação de recursos humanos de elevada qualidade, capazes de dar resposta a um mercado cada vez mais exigente e competitivo.

Mais compartimentos
 
O governador provincial procedeu ainda à inauguração de dez novas salas, da área administrativa e do auditório, com capacidade para 144 pessoas, na Escola Superior Pedagógica do Kwanza-Norte.
Os projectos ora inaugurados por Henrique Júnior, totalmente apetrechados, orçaram em 142,62 milhões de kwanzas.Com 1.863 estudantes do primeiro ao terceiro ano e 460 a frequentarem o quarto ano, a Escola Superior Pedagógica do Kwanza-Norte ministra cursos de Biologia, Física, Química, Matemática, Educação de Infância, Português/Inglês e Português/Francês.

Tempo

Multimédia