Províncias

Novas escolas marcam uma viragem na vida das populações da província

Marcelo Manuel | Ndalatando

A província do Kwanza-Norte tem matriculados para o presente ano lectivo 11.080 novos alunos no sistema normal de ensino, revelam dados das autoridades locais.

A província do Kwanza-Norte tem matriculados para o presente ano lectivo 11.080 novos alunos no sistema normal de ensino, revelam dados das autoridades locais.
Os dados, apresentados em Ndatalando, revelam que os novos alunos estão, na sua maioria, matriculados para a iniciação e primeira classe, o que só foi possível graças à construção e reabilitação de mais salas de aulas.
No geral, disse o governador provincial, Henrique André Júnior, cerca de 160 mil alunos foram matriculados em todos os subsistemas e níveis do ensino geral e formação técnico-profissional.
As autoridades construíram um total de 168 novas salas de aulas, das quais 78 para o ensino primário, 52 para o primeiro ciclo e 38 para o segundo ciclo, que começaram a funcionar no presente ano lectivo.
A par dessas acções, visando minimizar a carência de material didáctico, a direcção provincial da Educação leva a cabo, desde o dia 10 de Janeiro, a distribuição de 355.870 manuais escolares diversos, em todos os municípios.
A distribuição está a cargo de uma empresa de prestação de serviços, contratada pelo governo local, que vai fazer chegar o material a todas as administrações municipais.

Mais salas e professores

As autoridades provinciais têm programadas 11 acções de formação pedagógica, abrangendo 4.231 professores, assim a realização de um concurso público, com vista à inserção de 953 novos docentes, sendo 561 no ensino primário, 241 no primeiro ciclo e 151 para o segundo ciclo.
O município de Cazengo passou a dispor de mais 19 salas, com a inauguração, na semana passada, de duas escolas nas comunidades dos Embondeiros e Quirima do Hola.
A escola dos Embondeiros, inaugurada pelo Vice-Presidente da República, Fernando da Piedade Dias dos Santos, possui 15 salas e tem capacidade para 525 alunos, em três turnos.
O estabelecimento, cuja construção durou quatro anos, é o primeiro de carácter definitivo naquela localidade. Possui ainda seis casas de banho, três gabinetes e uma cantina.
A de Quirima do Hola, inaugurada pelo governador Henrique Júnior, tem quatro salas e as obras duraram cinco meses. Cada sala tem 45 carteiras, que garantem a permanência de 180 alunos.

População satisfeita

O soba da localidade de Quirima do Hola, Sebastião Kizembe, agradeceu o gesto do governo provincial e salientou que as novas escolas marcam uma nova era da vida daquela população.
A autoridade tradicional salientou que antes o bairro possuía apenas duas escolas construídas de adobe e mal cobertas. “A situação era insustentável, sobretudo quando chovesse, pois os alunos tinham de abandonar a escola ou estudar ao relento, em função do perigo que as paredes apresentavam”.
O soba aplaudiu ainda as acções do governo no que toca à construção de um mercado, sete chafarizes, o fornecimento de energia eléctrica aos domicílios e a iluminação pública.
Sebastião Kizembe considerou necessária a criação de um posto policial e uma quadra de jogos para a juventude.

Tempo

Multimédia