Províncias

Obras propiciam desenvolvimento

Manuel Fontoura | Ndalatando

A província do Kwanza-Norte obteve no decurso de nove anos de paz ganhos que a catapultam para o desenvolvimento sustentável. Kwanza-Norte segue de forma segura no caminho que a pode transformar num pólo económico forte, no quadro do desenvolvimento integrado do país, com a concretização de todos os projectos em carteira elaborados pelo governo provincial e central.

A asfaltagem de 20 quilómetros de estradas e o melhoramento dos lancis e passeios de Ndalatando estão em fase de conclusão
Fotografia: Dombele Bernardo

 

A província do Kwanza-Norte obteve no decurso de nove anos de paz ganhos que a catapultam para o desenvolvimento sustentável. Kwanza-Norte segue de forma segura no caminho que a pode transformar num pólo económico forte, no quadro do desenvolvimento integrado do país, com a concretização de todos os projectos em carteira elaborados pelo governo provincial e central.
O Programa de Investimentos Públicos (PIP), bem como o de Melhoria e Aumento da Oferta dos Serviços Sociais Básicos às Populações, levados a cabo pelo Governo angolano, estão a contribuir positivamente para o melhoramento das condições de vida das populações da província em geral.
Várias escolas, hospitais, postos e centros de saúde, estradas, pontes, residências para jovens e quadros do governo, sistemas de abastecimento de água e energia, saneamento básico, dentre outros empreendimentos sociais, estão a ser erguidos em todos os pontos da província.
Com a aprovação do “Memorando sobre a melhoria da gestão municipal”, que visa aumentar a capacidade de intervenção das localidades na execução de programas e projectos nas áreas do saneamento básico, energia eléctrica, água potável e ambiente, os dez municípios da província estão a conhecer paulatinamente mudanças significativas.
No quadro das principiais acções realizadas pelo Governo Provincial relativamente ao Programa de Aumento e Melhoramento da Oferta de Serviços Sociais Básicos às Populações, destacam-se no Cazengo a reabilitação da rede de iluminação pública, a conclusão do novo sistema de captação, transporte e tratamento de água, assim como a asfaltagem de 20 quilómetros de ruas, lancis e passeios de Ndalatando, actualmente em fase conclusiva.


Construção de hospitais

No âmbito do financiamento chinês, foi construído o hospital municipal de Cazengo, com capacidade para 70 camas, hospital municipal no bairro Sassa, duas escolas de 12 salas cada nos bairros de Catome de baixo e Embondeiros, bem como os dispensários de tuberculose no quilómetro onze, para além de outros inaugurados em Ndalatando, equipados com meios modernos para atender as solicitações da população.
Desta forma, os mesmos juntaram-se aos dois anteriores, com laboratório para testagem e controlo do BK (bacilo de koch), o principal causador da tuberculose, para além de outras análises clínicas.
Por seu turno, o Fundo de Apoio Social (FAS) construiu estabelecimentos de ensino nas localidades de Kissecula, Zavula e Canhoca, para além da inauguração das oito salas de aulas anexas a escola do primeiro ciclo número 20, as quais permitiram melhores condições de acomodação a cerca de mil e 746 alunos. As salas comportam cada 50 alunos em três turnos, da iniciação à quinta classe. A mesma conta agora com 20 salas, contra as 12 anteriores.
O município de Cazengo ganhou igualmente, em 2008, um Instituto Médio Agrário localizado na região de Camuaxi, a 11 quilómetros de Ndalatando. Estudantes provenientes das províncias de Luanda, Kwanza-Sul e Bengo, bem como da anfitriã Kwanza-Norte, frequentam aulas no local. O estabelecimento conta com 120 estudantes internos. Um total de 70 professores, dos quais 27 angolanos e os restantes de nacionalidade cubana e brasileira, leccionam as aulas no instituto.


Regime de internato

O empreendimento escolar comporta 20 salas de aulas para mil e 500 alunos, três pavilhões para internamento com capacidade para 264 camas e 17 residências para os professores.
A escola ministra cursos de Zootecnia, Recursos Florestais, Produção Vegetal e Animal, assim como um curso básico de Mecanização Agrícola.  Conta com Laboratórios de Informática básica, Zootecnia e Fitotecnia, Física e Química básicas, Biologia, Mecânica e de Electricidade de máquinas, para além de uma biblioteca, topografia, sala para professores, desenho técnico, ginásio, salão desportivo, arrecadações, gabinetes e internatos.
A edificação da instituição surgiu no âmbito do financiamento obtido por Angola junto do Governo chinês e orçou em mais de 20 milhões de dólares americanos. Para muitos cidadãos do Kwanza-Norte, o empreendimento constitui uma mais valia, tendo em conta a grandeza do imóvel e o contexto de desenvolvimento agro-industrial da província, fruto dos esforços do Governo e da paz reinante no país há sensivelmente nove anos.
O instituto conta ainda com turmas viradas para a actividade técnico-profissional, com o objectivo de aumentar o número de quadros neste ramo. Saliente-se que a criação desta instituição está não apenas a propiciar a formação de mais quadros, como também a inserção dos mesmos no mercado de emprego.

Construção do palácio

Em Ndalatando, estão a ser erguidas uma Escola Técnica de Enfermagem, escola do segundo ciclo no bairro Embondeiro, palácio governamental, edifício para as direcções provinciais e nova maternidade provincial. As obras de construção da Escola Técnica de Enfermagem do Kwanza-Norte e do novo edifício para as direcções provinciais, estão a cargo da construtora Sino-Hydro. A primeira está avaliada em quatro milhões de dólares e a outra em três milhões.
Com previsões de ser inaugurada nos próximos dias, a Escola Técnica de Enfermagem do Kwanza-Norte terá quatro pisos, com 20 salas, um auditório, escritórios e arquivos. O recinto vai contar também com uma área poli-desportiva em espaço aberto e uma zona para estacionamento de viaturas. Já o novo edifício das direcções provinciais conta com três pisos, onde vão poder funcionar todas as direcções do governo local que até então não encontraram espaço no edifício do género reinaugurado em Dezembro último.
As obras do palácio, em fase de acabamento, estão orçadas em mais de quatro milhões de dólares e devem terminar em Fevereiro de 2012. O novo palácio governamental está numa área de aproximadamente mil e 700 metros quadrados e, para além de outros aposentos, conta igualmente com residências fixas, salas de estar e de visitas, escritórios, suites, saunas, lavandarias, piscina e ginásio.
A escola do segundo ciclo no bairro Embondeiro conta com 12 salas e vai albergar mais de 500 alunos. Com custos até 300 mil dólares, a sua construção está a cargo da empresa de engenharia e construção civil Edison International. Em fase de construção também está uma nova maternidade com capacidade de internamento de 129 camas, orçada em mais de três milhões de dólares. A cargo da construtora Guimarães Nicácio e Construções, a mesma teve início em Setembro de 2010 e termina num período de 18 meses.
Nesta vertente, nascem perspectivas com o intuito de melhorar cada vez mais a condição de vida da população, visando aumentar a capacidade de intervenção das localidades na execução de programas e projectos, paralelamente, nas áreas do saneamento básico, energia eléctrica, água potável e ambiente.


Nova imagem de Ndalatando 

A revitalização dos jardins, ruas, passeios, lancis e esgotos a nível da cidade de Ndalatando, província do Kwanza-Norte, enquadrada no Programa Nacional de Requalificação e Melhoramento de Cidades e Vilas, está a ser encarada com satisfação por parte dos habitantes daquela urbe, constatou o Jornal de Angola.
A cidade, que no passado já foi considerada por muitos como a cidade jardim de Angola e uma das mais limpas e urbanizadas do país, está a conhecer melhorias significativas em vários domínios, com o propósito de recuperar a mística antiga.
O munícipe Paulo Fernandes, morador da rua Tomás José Marques, que recentemente recebeu novo tapete asfáltico, passeios, lancis e melhoria nos canais de esgotos, a exemplo de quase toda a urbe, frisou que anteriormente, quando chovesse, a zona tornava-se inundada e lamacenta, dificultando a circulação de veículos e peões, obrigando-os a caminhar nos charcos. Hoje a situação mudou e tudo é completamente diferente.
Por sua vez a senhora Isaura de Túzia avançou que os largos e jardins da cidade a serem agora reabilitados vão, daqui para frente, oferecer mais e melhores condições de lazer aos jovens, que até a bem pouco tempo tinham poucas alternativas em termos de espaços em condições para relaxe e leituras.
Todos os pontos verdes da cidade receberam um novo visual, pelo que foram projectados com canteiros relvados, postos de iluminação pública do estilo rústico e moderno, bancos com estruturas de metal e assentos em madeira, para além de plantas exóticas e ornamentais de toda espécie.
Para a manutenção, limpeza e saneamento das ruas e bairros da cidade, o Governo do Kwanza-Norte contratou para serviços de saneamento básico a empresa de engenharia ambiental “Recolix”, que desde 2007 opera em Ndalatando e no Dondo.
Estas acções juntam-se ao projecto de iluminação pública que, para além das áreas urbanas, contemplou pela primeira vez os bairros dos Embondeiros, Kipata e Kamundai, Tala-Hady, Sambizanga, parte do Hoji-Ya-Henda, Onze de Novembro, Carreira de Tiro e aldeias de Kissecula e Zavula, estas situadas a 18 e 20 quilómetros a sul da cidade.

Tempo

Multimédia