Províncias

Pessoas deficientes precisam formação

O vice-governador do Kwanza Norte para área social e política, José Alberto Kipungo manifestou, ontem, em Ndalatando, a necessidade da contínua mobilização dos deficientes físicos e antigos combatentes para frequentarem os vários cursos de formação profissional promovidos pelo Governo Provincial.

Centros profissionais vão formar deficientes
Fotografia: Paulo Mulaza

O vice-governador do Kwanza Norte para área social e política, José Alberto Kipungo manifestou, ontem, em Ndalatando, a necessidade da contínua mobilização dos deficientes físicos e antigos combatentes para frequentarem os vários cursos de formação profissional promovidos pelo Governo Provincial. As pessoas portadoras de deficiência têm todo o interesse em aprender um ofício, porque lhe garante a inserção no mercado do trabalho e o auto-emprego.
Em declarações à imprensa no quadro de um encontro que teve ontem, em Ndalatando, com mais de uma centena de deficientes físicos e antigos combatentes, José Alberto Kipungo disse que é importante que os deficientes tenham a oportunidade de adquirir uma profissão com vista ao exercício de actividades geradoras de rendimentos para o sustento e das suas famílias. Durante o encontro, inserido nas comemorações do Dia Mundial da Pessoa Portadora de Deficiência, celebrado no passado dia 3 de Dezembro último, o vice-governador referiu que a iniciativa visa evitar que os antigos combatentes e deficientes físicos passem por dificuldades, fruto da redução da capacidade do governo em atender com regularidade as suas necessidades em consequência da actual crise financeira mundial.
Perante o actual quadro, Alberto Kipungo pediu aos deficientes físicos e antigos combatentes a aderirem aos programas de cooperativas agrícolas, oficinas de artes e ofícios e outros programas do Executivo no âmbito da assistência social às pessoas vulneráveis.
Ainda no quadro das comemorações do Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência, a Direcção da Assistência e Reinserção Social do Kwanza-Norte distribui ontem cadeiras de rodas e uma cesta básica constituída por bens alimentares (peixe, óleo alimentar, açúcar, sal e arroz) a mais de 200 antigos combatentes e pessoas portadoras de deficiências físicas e visuais.

Tempo

Multimédia