Províncias

Poucas meninas nas escolas preocupa direcção do sector

André Brandão | Ndalatando

O reduzido número de meninas no ensino primário, primeiro e segundo ciclos, continua a preocupar as autoridades provinciais do Kwanza-Norte, disse na sexta-feira, em Ndalatando, o director local da Educação.

O número de meninas fora do sistema de ensino no Kwanza-Norte preocupa as autoridades
Fotografia: Nilo Mateus | Ndalatando

Velhinho de Barros, que falava durante a primeira sessão do conselho de direcção alargado do sector, esclareceu que, neste ano lectivo, foram matriculados nestes níveis de ensino e no pré-escolar um total de 121.717 alunos, dos quais 50.695 são raparigas, o que corresponde 48 por cento.
No ensino primário há 93.166 alunos, dos quais 40.773 raparigas, no primeiro ciclo estão matriculados 18.525, sendo 6.556 meninas, enquanto no segundo ciclo ingressaram 10.021, com apenas 3.366 do sexo feminino.No pré-escolar, o director provincial da Educação salientou que foram matriculados um total de 9.601 alunos, 4.433 dos quais do sexo feminino, o que corresponde a cerca de 46 por cento. Velhinho de Barros salientou que o gráfico de redução do número de raparigas nas escolas torna necessário que todos os directores das escolas trabalhem arduamente para averiguar as razões desta quebra, uma vez que a meta do Ministério da Educação, até 2025, é que se sinta a equidade de género nas salas de aulas.
A orientação das autoridades centrais, salientou o director provincial, é que em cada sala onde haja 50 alunos, 25 sejam raparigas.
Os agentes do sector vão passar a trabalhar, cada vez mais, com as comunidades, sobas, pais e encarregados de educação, no sentido de se reforçar a sensibilização para que as meninas não continuem a ser encaminhadas para as lavras em detrimento da escola.

Tempo

Multimédia