Províncias

Recuperado estatuto de “cidade jardim”

Lucas Leitão | Ndalatando

A cidade de Ndalatando, capital da província do Kwanza-Norte, regista avanços significativos no que concerne à reposição dos espaços verdes, visando a recuperação do seu estatuto de “cidade jardim de Angola”.

Ndalatndo desenvolve um programa de plantação de centenas de árvores e arbustos
Fotografia: Jornal de Angola

A intenção para a concretização de tal objectivo é marcada pelo empenho actual do Governo Provincial de Kwanza-Norte em torno da reabilitação das principais zonas verdes.
Os esforços do Governo permitiram devolver o anterior cenário da urbe, caracterizado pela existência de jardins e arvoredo nas principais artérias e separadores rodoviários.
A empreitada de reabilitação dos espaços verdes da cidade de Ndalatando congrega um projecto que insere a plantação de centenas de árvores e arbustos.
As árvores são todas adaptadas ao clima da zona, numa área de 18.302 metros quadrados, que compreende diversos largos, separadores rodoviários, parques e zonas de lazer. O projecto tem como principais pressupostos garantir a sustentabilidade dos sistemas de vegetação e elevação da qualidade de vida dos habitantes e visitantes do Kwanza-Norte, que procuram, cada vez mais, locais aprazíveis de recreio e lazer.
A coordenadora do projecto, a arquitecta paisagista Sandra Bastos, disse que o investimento em curso desde 2010 compreende a criação de espaços verdes constituídos por áreas relvadas e arbustos, cujo conjunto se destina à criação de espaços de elevado valor visual. Para a arquitecta, a concepção das composições vegetais corresponderam a um conceito tropical ou subtropical, através da aplicação de material vegetal, cujo conjunto de espécies está perfeitamente adaptado à região.
Sandra Bastos disse que, para garantir tais objectivos, a base das plantações é constituída por espécies de árvores seleccionadas e pertencentes ao grupo de vegetação local.
As plantas, segundo a responsável, estão associadas às outras espécies exóticas que, ainda que não pertencentes à flora local, são perfeitamente adaptáveis às condições e características da região. Entre as áreas da cidade de Ndalatando abrangidas no plano de reposição das zonas verdes, a arquitecta apontou as principais artérias, largos, praças, jardins e separadores rodoviários das vias do centro da urbe e da periferia.
Os cidadãos aplaudem a medida e mostram-se empenhados em cooperar com as autoridades na preservação do actual cenário verde que caracteriza a cidade de Ndalatando, também apelidada de terra da “Rosa de Porcelana”.

Tempo

Multimédia