Províncias

Redução de casos de sida registada no Cuanza Norte

Um total de 680 novos casos de VIH/Sida, de um universo de 32.737 testes realizados, foram diagnosticados na província do Cuanza Norte, nos últimos onze meses, informou ontem o inspector provincial da saúde.

António Miguel Zangui falava  na vila de Quiculungo, a propósito das comemorações do Dia Mundial da Luta contra a Sida, assinalado ontem,  sob o lema “Jovens unidos por uma geração sem sida”.
António Miguel Zangui não apresentou dados comparativos, mas explicou que os números representam um avanço na luta contra a referida doença, graças os esforços do Executivo e do Instituto Nacional de Luta contra Sida, na disponibilização de recursos humanos e materiais para o atendimento da população.
A província do Cuanza Note conta com Centros de Aconselhamento e Testagem Voluntária de Sida (Catv) nos 10 municípios, o que tem aproximado esses serviços à população, sobretudo no atendimento à mulheres grávidas e bebés, através do programa de corte de transmissão vertical.
António Miguel Zangui manifestou-se satisfeito com a mudança de mentalidade dos cidadãos em termos de acatamento das medidas de prevenção da doença, sobretudo no que concerne ao uso do preservativo e a testagem voluntária.
O vice-governador do Cuanza Norte para o Sector Político e Social, José Alberto Quipungo, disse que a magnitude dessa epidemia exige esforços de todos, através da divulgação das formas de contágio, prevenção, assistência médica e  apoios.
Os números de contágio continuam altos, daí ter apelado à todos, sobretudo os jovens, a camada mais vulnerável, para que tenham sempre presente as medidas preventivas e aos infectados que recorram sempre aos serviços de saúde em busca de assistência médica e medicamentosa, admitiu José Alberto Quipungo.
O vice-governador defendeu também a luta contra a discriminação de pessoas portadores de VIH/Sida, por ser mais perigosa que a própria doença.
As Organizações das Associações ao Serviço do Sida (Anaso) disseram que as questões relacionadas com VIH/Sida devem constar das prioridades dos pacotes orçamentais municipais e comunais, no sentido de se atingir a meta “sida zero”, “estigma zero” e “discriminação zero”.
Numa mensagem lida no acto, as Organizações das Associações ao Serviço do Sida consideram ser necessária a criação de políticas dirigidas localmente para conter a propagação da doença, como, por exemplo, acções de formação, capacitação de técnicos e agentes comunitários.

Tempo

Multimédia