Províncias

Região sem casos da doença

Silvino Fortunato | Bolongongo

As autoridades administrativas do município de Bolongongo, na província do Cuanza Norte, não registaram, até ao momento, qualquer caso suspeito de febre-amarela, confirmou ontem o seu administrador.

Autoridades do município desenvolvem várias acções com vista a prevenir a febre-amarela
Fotografia: Maria Augusta

Gaspar José referiu que, embora não haja esta suspeita, as autoridades sanitárias municipais realizam medidas de prevenção, através da intensificação das acções de luta antivectorial, com incidência sobre os pontos críticos, como são as zonas 1 e 2 da aldeia Cahombo.
O administrador municipal de Bolongongo avançou que as autoridades realizam uma campanha de sensibilização nos domicílios, para incentivar a população a construir latrinas e outros meios ligados ao saneamento do meio.
Gaspar José disse que a mobilização resultou de preocupações manifestadas pelo conselho municipal de auscultação e concertação social de Bolongongo, segundo as quais a maioria da população residente nos bairros periféricos defeca ao ar livre, próximo de residências, por falta de latrinas.
O administrador municipal avançou que foram identificadas 113 casas sem latrinas, dum total de 144 residências visitadas. O grupo de trabalho, que Gaspar Jose encabeça, anda de porta em porta para mobilizar e constatar a existência ou não de latrinas ou casas de banho nas moradias do município.
Para traçar estratégias de actuação, o conselho de auscultação e concertação social reuniu-se e considerou de grave a situação do saneamento básico da região, o que ameaça a saúde pública.
Gaspar José disse que a campanha de mobilização, iniciada no primeiro dia do mês, envolve membros da Administração Municipal, Comando local da Polícia e as autoridades tradicionais. Gaspar José informou que, por falta de recursos financeiros, a Administração Municipal de Bolongongo foi obrigada a suspender o contrato com a empresa que se encarregava da limpeza e saneamento da vila.
Para fazer frente a este constrangimento, o conselho de auscultação social decidiu mobilizar os munícipes para assumirem a limpeza das zonas de residências e espaços públicos da sede municipal.

Saneamento básico

Além da questão do saneamento e da febre-amarela, os membros do conselho analisaram os resultados da campanha de vacinação anti-rábica, processo de registo eleitoral, plano estratégico reajustado de desenvolvimento da província 2016-2022 e a reabilitação das estradas Terreiro-Quiquiemba, Samba Caju-Uiangombe, Uiangombe-Banga, Banga-Quiculungo e Quiculungo-Bolongongo.
O conselho analisou ainda a situação da aldeia de Canzele, localizada a 27 quilómetros da vila de Bolongongo, numa zona de terreno elevado, vulnerável à tempestades e com limitações no acesso à água potável.
Em função das características da localidade, a Administração Municipal continua a traçar medidas para transferir a população para um local de posição geográfica mais favorável, com acesso facilitado à água e terreno propício para construção de infra-estruturas sociais.

Tempo

Multimédia