Províncias

Reprodução de cacusso em bom ritmo

Marcelo Manuel| Cambambe

O Centro de Larvicidas do Mucoso, criado para revitalizar a prática da aquicultura na região, já tem as condições criadas para arrancar a fase de reprodução dos alevins de tilapia, vulgarmente conhecidos como cacusso.

Criação e reprodução de cacusso em cativeiro exige cuidado e atenção redobrada
Fotografia: Nilo Mateus| Dondo

O responsável técnico do Centro de Larvicidas do Mucoso, Miguel Gourgel, disse que a instituição trabalha, desde Novembro passado, na criação de 3.650 matrizes de reprodução, sendo 2.700 fêmeas e 950 machos, provenientes de Israel.
Avançou que as referidas espécies já estão na fase de maturação para a reprodução e podem anualmente gerar dois milhões de alevins, cifra tida como suficiente para ser distribuída aos criadores da província.
Sublinhou que as larvas chegaram ao país com 4.8 gramas cada, estando actualmente os machos a pesar 1.700 gramas, enquanto as fêmeas variam entre os 700 e 500 gramas.
Destacou que, nesta fase, os dois géneros vivem em tanques diferentes, tendo avançado que a fase de produção pode começar nos próximos dias, de acordo com a programação do Ministério das Pescas. Miguel Gourgel salientou que a criação do cacusso em cativeiros exige cuidado e atenção redobrada, principalmente no que toca à recolha diária dos dados químicos e temperatura da água.
Deu a conhecer que o processo de criação dos alevins começa numa área restrita com 12 tanques de estufas, onde o peixe miúdo é cuidado com o apoio de aparelhos para filtragem e controlo da temperatura ambiental da água.
Realçou a existência de um total geral de 23 aquários, onde acontece a perversão sexual, reprodução, e outros de carácter específicos, a serem usados no Cacimbo, durante a queda das temperaturas. Frisou que o centro possui ainda uma área administrativa, laboratório, fábrica de ração com capacidade de produção 400 quilos por hora.
Neste momento, disse que trabalham no projecto seis técnicos, entre pessoal técnico, administrativo e de limpeza. Miguel Gourgel avançou que, em termos estruturais, o projecto está praticamente concluído, aguardando-se apenas a sua inauguração.
Quando este passo for dado, a instituição vai criar mais 22 postos de trabalho directos, além de outros empregos indirectos.

Tempo

Multimédia