Províncias

Sector da Saúde precisa de mais de cem médicos

Marcelo Manuel | Ndalatando

A província do Cuanza-Norte tem um défice de 101 médicos de várias especialidades e 179 enfermeiros de nível superior, afirmou em Ndalatando, a directora provincial da Saúde.

Hospitais da província enfrentam escassez de médicos
Fotografia: Edições Novembro

Segundo Filomena Wilson, as especialidades com mais necessidades são as de ginecologia, obstetrícia, pediatria, cirurgia, oftalmologia, otorrino e estomatologia. Há de igual modo necessidade de 25 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e mais de 230 para apoio hospitalar.

Filomena Wilson fez saber que, para minimizar a situação, 21 dos 91 médicos existentes na província estão a frequentar cursos, em Luanda, com duração de cinco anos, nas especialidades já referenciadas, a expensas do Estado.
Sublinhou que existe um plano estratégico de dois anos que visa a formação de 275 enfermeiros, nas especialidades de obstetrícia, cuidados intensivos, imagiologia, oftalmologia, fisioterapia, anestesiologia, instrumentalização, farmácia, pediatria, neonatalogia, análises clínicas, radiologia, psicologia, ortopedia, optometria, estomatologia, nutrição e nefrologia, em Malanje e Luanda.
“Existe também um número considerável de profissionais de enfermagem que prosseguem os seus estudos superiores por iniciativa própria, mas com algum suporte do Gabinete Provincial da Saúde”, disse.
Fez saber que desde Janeiro passado 1.392 trabalhadores da Saúde beneficiaram de transição de carreira, entre os quais 64 médicos, 845 Enfermeiros, 84 técnicos de diagnóstico e terapêutica, 39 especialistas administrativos e 369 funcionários ligados às áreas de apoio.
Segundo Filomena Wilson, existe descontentamento no seio da classe pelo facto de o processo de transição de carreiras não contemplar os técnicos inicialmente formados em Enfermagem, mas que agora são licenciados em Análises Clínicas e Saúde Pública. Avançou que recebeu orientações do ministério de tutela no sentido de os mesmos concorrerem para as especialidades na qual estão agora formados.

Tempo

Multimédia