Províncias

Sobem as transgressões da conduta familiar

André Brandão | Ndalatando

A Direcção Provincial da Família e Promoção da Mulher no Cuanza Norte registou, no ano passado, 809 casos de transgressões da conduta da família, o que representa um aumento nas estatísticas da instituição.

Centro de aconselhamento da Promoção da Mulher dá solução a muitos casos
Fotografia: André Brandão | Ndalatando

Um relatório da instituição, publicado quinta-feira em Ndalatando, refere que há uma subida de casos, o que preocupa as autoridades.
A lista é liderada por casos de incumprimento de mesadas, abandono do lar, ofensas morais e corporais graves e simples, bem como acusação de feitiçaria.
O relatório anual refere igualmente que dos 809 casos registados, pelo menos 688 casos tiveram solução na sala da família da Direcção da Família e Promoção da Mulher e 121 foram transferidos à representação da Procuradoria-Geral da República (PGR) no Cuanza Norte.
A instituição registou igualmente casos de despejo e usurpação de bens, desalojamento, chantagem e adultério.  Outros tipos de violência foram ainda averbados na região, com destaque para despedimentos, privação de bens, injúria, conflito laboral, difamação e calúnia. No âmbito da auscultação à mulher rural, o documento aponta que foi realizado um encontro com senhoras dos municípios da província. Na actividade estiveram centenas de pessoas, que apresentaram os seus problemas e as soluções para os mesmos.
Ainda no ano findo, mulheres, estudantes, membros do Governo e de partidos políticos, autoridades tradicionais, militares e paramilitares participaram numa marcha de repúdio às vítimas da violência doméstica. A direcção da Família e Promoção da Mulher efectuou em 2014 várias palestras em que foram ressaltados o papel das senhoras do meio rural no desenvolvimento da economia angolana, a Lei contra a Violência Doméstica, a higiene e sanidade do meio, o papel dos pais na formação da personalidade dos filhos, os perigos da gravidez precoce, entre outros temas.

Tempo

Multimédia