Províncias

Sobem os níveis de infecção por malária

Manuel Fontoura | Ndalatando

A província do Kwanza-Norte continua a ser considerada uma área de alta transmissão da malária ou hiper endémica, com os níveis da população infectada a variar entre os 42,5 e os 80 por cento, concluiu um estudo de Projecto Integrado de Controlo da Malária e da Tripanossomíase.

Os dados obtidos pela avaliação demonstram que os esforços do governo provincial no controlo da malária estão a ter sucesso
Fotografia: Nilo Mateus | Ndalatando

A província do Kwanza-Norte continua a ser considerada uma área de alta transmissão da malária ou hiper endémica, com os níveis da população infectada a variar entre os 42,5 e os 80 por cento, concluiu um estudo de Projecto Integrado de Controlo da Malária e da Tripanossomíase.
O estudo, realizado pelas Organizações Consaúde e financiado pelo governo da província do Kwanza-Norte, revela que a doença se transmite durante todo o ano.
Com uma parceria da direcção local da Saúde, o projecto, quanto ao seu objectivo geral, visa contribuir para a redução da morbi-mortalidade por malária e tripanossomíase, através do reforço da capacidade da província para a detecção e acção integrada de luta e controlo do vector transmissor, durante a vigência do programa.
O projecto teve início em Outubro de 2010 e terminou em Dezembro de 2011, tendo abrangido os municípios de Ambaca, Banga, Bolongongo, Cambambe, Cazengo, Golungo Alto, Ngonguembo, Lucala, Quiculungo e Samba Caju.
Assim, pelo menos, 397.627 habitantes foram beneficiados, com custos estimados em 25 mil kwanzas por cada beneficiário, salienta o documento.
Quanto aos objectivos específicos, o programa visa contribuir para a redução dos índices entomológicos (densidade do vector anopheles e tripanossoma), em 30 por cento, para a redução dos índices parasitológicos (população infectada) em 20 por cento, e taxa de mor­bilidade por malária, sobretudo em crianças e em mulheres grávidas, em 20 por cento.
O estudo indica que se pretende ainda a redução da taxa de mortalidade geral por malária, em dez por cento e o aumento da capacidade da província para detecção, diagnóstico e tratamento dos casos de tripanossomíase.
Durante a apresentaçao e descrição dos resultados alcançados para os indicadores do projecto, até Dezembro  de 2011, a médica da ConSaúde, Paula Figueiredo, disse que o plasmódio falciparum foi a única espécie do parasita identificada na população infectada.
 Noutra vertente, o índice parasitológico, em toda a província, foi de 27,03 por cento, com uma redução em 59 por cento na percentagem da população infectada, em relação ao ano de 2009, resultados estes provenientes do estudo da malária, enquanto os de 2011 são referentes ao estudo Nacional de Indicadores da Malária.
Para a médica da Consaúde, a quantidade de vectores Anopheles e da Glossina Palpales reduziu de forma drástica, devido às actividades de controlo vectorial que alcançaram, segundo as conclusões do projecto, uma cobertura de 94 por cento para a luta antilarvar.
Esta redução foi ainda fruto de se ter alcançado uma cobertura de 71 por cento dos domicílios da província, da diminuição da densidade do mosquito no interior das residências e do número de picadas infectantes.
O estudo concluiu ainda que a cobertura com a fumigação espacial (tifa) em toda a província reduziu a densidade do vector adulto e, em consequência, a taxa de paridade e os índices esporozóiticos. Paula Figueiredo considerou que os dados obtidos pela avaliação demonstram que os esforços do governo provincial no controlo da malária têm sucesso e obedecem às normas internacionais e às políticas nacionais.
A baixa dos índices da morbilidade por malária na província está em directo relacionada com a redução das taxas de prevalência e, em consequência, com a diminuição do vector, bem como o aumento da disponibilidade e o uso de mosquiteiros impregnados com insecticida de longa duração.
A médica disse ainda que a diminuição ocorreu por causa do aumento da cobertura do Tratamento Preventivo Intermitente da malária na mulher grávida e aumento da cobertura e da qualidade do diagnóstico e tratamento precoce.

Tempo

Multimédia