Províncias

"Água para todos" beneficia milhares de pessoas

Manuel Tomás | Sumbe

O Programa “Água para todos” está a beneficiar, desde o ano passado, 103.484 habitantes no Kwanza-Sul, no âmbito do plano de acção do governo provincial, para melhorar a produção e distribuição deste produto às comunidades.

Serafim Maria do Pradol
Fotografia: Jornal de Angola

O Programa “Água para todos” está a beneficiar, desde o ano passado, 103.484 habitantes no Kwanza-Sul, no âmbito do plano de acção do governo provincial, para melhorar a produção e distribuição deste produto às comunidades.
A intenção das autoridades governamentais, em 2010, era que o programa abrangesse uma cobertura de cerca de 262 mil pessoas, mas algumas contrariedades originaram que apenas o número acima referido estivesse já a usufruir de água potável.
O governador da província, Serafim do Prado, anunciou na quinta-feira que com a continuidade dos trabalhos dos furos artesianos, o número de beneficiários tende a aumentar, podendo atingir mais 145.448 cidadãos.
Serafim do Prado, que fez esta declaração quando procedia ao balanço do grau de execução do programa “Água para todos”, destacou os avanços significativos alcançados pelo projecto e apontou a alocação tardia das verbas para o suporte dos trabalhos como um dos principais factores constrangedores.
O governador referiu que o programa, naquele período, teve 264 milhões de kwanzas. Com esse montante, foi possível construir pequenos sistemas de abastecimento de água potável, furos artesianos e adquirir algum equipamento. A verba foi ainda empregue em serviços de reparação das estações de tratamento e abastecimento de água dos municípios do Sumbe e Porto Amboim, cujas bombas necessitam ser substituidas, dada a sua antiguidade. A outra parte, não especificada pelo governador, foi empregue na fiscalização do projecto.
Serafim do Prado revelou que foi adquirido equipamento do sistema de cata-ventos, que pela primeira vez vai ser instalado na comuna do Kicombo, município do Sumbe, assim como foram efectuadas acções no Sumbe, Cela, Amboim, Kassongue, Kibala, Kilenda, Mussende, para que estas comunidades fossem abastecidas com água potável. O governador disse que, durante o ano transacto, no âmbito do programa central, fizeram-se 15 furos artesianos, sendo dez nas localidade do Mussende e cinco no Libolo, estando em curso mais oito dos 12 programados para beneficiar cerca de 3.800 pessoas do Gungo (Sumbe), Zâmbia, Aricanga e Kapupa (no Amboim).
Do programa provincial, disse ainda o governador, foram planificados 17 furos artesianos para os municípios do Sumbe, Ebo, Kibala e Amboim.
Anunciou igualmente que mais de cinco mil habitantes, distribuídos pelas aldeias do Pindo (Sumbe) e Kazanga, na Pinda (Porto Amboim), que há muito consumiam água não tratada, já estão a ter água potável.
As obras dos dois empreendimentos, inseridas no Programa de Investimentos Públicos, foram adjudicadas à empresa angolana ARA-Sumbe, que as executou em mais de 40 dias úteis.
A estação de captação, tratamento e distribuição de água potável do Pindo compreende uma motobomba montada no rio Cambongo e um reservatório com capacidade para 108 mil litros.
 
Satisfação dos sobas
 
O soba da localidade do Pindo, Domingos Gonçalves, reconheceu os esforços do governo provincial no sentido de melhorar as condições sociais da população, desde a Independência Nacional e depois do alcance da paz efectiva, tendo encorajado o executivo a prosseguir com estas acções.
Visivelmente satisfeito, realçou que a inauguração do sistema de abastecimento de água potável vai contribuir substancialmente para a melhoria das condições de vida da população.
“Agora terminou o sofrimento das mulheres e crianças do bairro que, desde o amanhecer até ao anoitecer, caminhavam longas distâncias com baldes na cabeça à procura de água, facto que levava ao desaparecimento de algumas crianças, devido ao aumento do caudal do rio, sobretudo nesta época chuvosa”, frisou o soba.
Resolvida que está a questão das águas, a comunidade solicita que, nos próximos projectos, sejam contemplada a construção e reabilitação de mais escolas e residências para professores.
“Pedimos isso, mas é preciso ainda que tenhamos mais um reservatório de água, torneiras ao longo do ramal até ao rio Kuvo e a instalação da energia pública e domiciliária”, rematou o soba.
  Após o corte da fita e da abertura das torneiras nas duas localidades, o governador pediu às autoridades tradicionais e à comunidade para cuidarem das estações de captação, tratamento e distribuição de água, evitando-se acções de vandalismo.
De acordo com o governador, o referido programa é uma iniciativa do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, implementada em todas as províncias do país, para melhorar as condições sociais das comunidades, sobretudo as do meio rural.
Serafim do Prado tranquilizou a população, dizendo estão a ser envidados esforços para que os fundos monetários que forem disponibilizados à província sejam aplicados na solução dos problemas de energia, principalmente nas escolas, para permitir que os adultos possam estudar à noite.

Tempo

Multimédia