Províncias

Água para Todos nas comunidades

Manuel Tomás| Sumbe

A cidade do Sumbe, capital da província do Kwanza- Sul, beneficia, até finais do corrente ano, de uma nova central de captação, tratamento e distribuição de água potável, com custos avaliados em 36 milhões de dólares, financiamento do  Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e comparticipação de 50 por cento do Executivo.

Muitas comunidades do Kwanza-Sul já beneficiam do programa
Fotografia: JA

A cidade do Sumbe, capital da província do Kwanza- Sul, beneficia, até finais do corrente ano, de uma nova central de captação, tratamento e distribuição de água potável, com custos avaliados em 36 milhões de dólares, financiamento do  Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e comparticipação de 50 por cento do Executivo.
A garantia foi dada pelo Secretário de Estado das Águas, Luís Filipe, no termo de uma visita de trabalho recentemente realizada ao Kwanza-Sul, onde se inteirou do andamento do "Programa água para todos", tendo considerado de positiva a sua execução, porque já muitas comunidades beneficiam do referido programa. 
O também coordenador da comissão técnica do programa "Água para todos" esclareceu que, com esta nova central, vai proceder-se a uma reabilitação profunda no sistema de abastecimento de água aos munícipes do Sumbe.  Do trabalho a efectuar consta a mudança da nova captação para outro lugar com melhores condições, mas no mesmo rio (Cambongo), a substituição da rede em virtude da actual se encontrar em estado avançado de degradação devido ao longo tempo de existência e saneamento das águas residuais.
O governante disse que o programa "Água para todos", na província do Kwanza-Sul, está a ser bem cumprido e aponta que para os próximos tempos se prevê a execução de 200 furos artesianos. Está também agendada a instalação de pequenos sistemas de abastecimento de água a partir dos cursos de água existentes, já que a região detém áreas com muitos rios e riachos.
Para o Secretário de Estado das Águas, o objectivo do programa "Água para todos" é atingir, até 2012, uma meta superior a 80 por cento da população da província porque, segundo ele, a população deve ter um abastecimento de água potável de forma satisfatória, de acordo com as metas estabelecidas pelo Executivo.
 
Comissão técnica

 
No encontro mantido com os administradores municipais, dos quais recebeu informações concretas da forma como está a ser executado o programa em cada circunscrição, Luís Filipe explicou que o programa do Executivo resulta de uma iniciativa do Presidente José Eduardo dos Santos e vem sendo implementado desde 2007 sob seu acompanhamento.
Informou aos participantes que, em substituição da antiga estrutura que existia, em conformidade com um despacho Presidencial, foi constituída uma comissão técnica de coordenação do programa "Água para todos", que, além do Secretário de Estado das Águas, integra um representante da Casa Civil da Presidência da República, do Ministério do Planeamento, das Finanças, Energia e Águas e outros.
Deu a conhecer que das várias atribuições da comissão consta o contacto directo com as províncias, efectuando visitas periódicas e encontros que permitam uma percepção do que se regista, de forma a ter uma avaliação correcta das necessidades, a fim de definir acções que visem atingir as metas preconizadas.
O Secretário de Estado das Águas, acompanhado do governador provincial, Serafim do Prado, visitou os projectos de abastecimento de água implantados nas localidades do Pindo (Sumbe) e Pinda (Porto Amboim), assim como os furos artesianos na zona da Zâmbia (Amboim) e os projectos na comuna da Munenga e Cabuta, no Libolo.

Tempo

Multimédia