Províncias

Alunos do Instituto dos Petróleos estagiam na Total

Alunos formados no Instituto Nacional de Petróleos (INP) vão doravante beneficiar de estágios profissionais na petrolífera Total-Angola, no âmbito de um acordo assinado sexta-feira, no Sumbe, entre as duas instituições.

Protocolo prevê a preparação de alunos para a sua integração numa sociedade cada vez mais exigente quanto à indústria petrolífera
Fotografia: Casimiro José|Sumbe

O protocolo, subscrito pelos directores gerais do INP, Domingos Francisco, e da Total-Angola, Jean Michel Lavergne, prioriza igualmente a cooperação nas áreas de desenvolvimento contínuo do conhecimento, traduzido na capacitação técnico-pedagógica do corpo docente do INP e a troca de informação, com vista a adequação à indústria petrolífera dos conteúdos educativos ministrados na instituição.
O acordo, além de prever a realização de seminários e workshops, que versarão temas relacionados com o sector petrolífero, contempla o INP com doações de equipamentos de laboratório para a formação ao nível dos processos produtivos da
O director-geral do INP, Domingos Francisco, agradeceu ainda a colaboração da empresa petrolífera, por ter se disponibilizado em apoiar a realização da feira de emprego, marcada para os dias 25 e 26 do próximo mês, nas instalações daquela escola.
O responsável explicou que, de acordo com as potencialidades do INP, a área didáctico-pedagógica dispõe actualmente de um centro tecnológico, cuja montagem já foi finalizada, apetrechada com equipamento moderno, para permitir o desenvolvimento de acções de formação profissional nas áreas da soldadura, caldeiraria, maquinação e ensaios não destrutivos, entre outras. O director-geral do INP deu a conhecer que, neste âmbito, foi também recentemente inaugurada uma biblioteca, construída de raiz. Tem um piso e comporta sala de informática, reprodução de materiais, secretaria pedagógica, sala de professores e outras dependências. A biblioteca possui obras técnicas e científicas e outra bibliografia de interesse para o ensino e a formação como softwares. Para Domingos Francisco, estas estruturas e segmentos da escola poderão conter ainda campos de eleição para uma cooperação frutuosa. O director-geral da Total-Angola, Jean Michel Lavergne, explicou que a cooperação entre o INP e a petrolífera que dirige vai reforçar antes de mais os compromissos que existem perante a juventude angolana.
Disse que a Total-Angola tem apostado, sobretudo, na promoção do seu desenvolvimento, juntamente com as autoridades governamentais, em diversas regiões do país.
O director salientou que o protocolo rubricado constitui um exemplo da vitalidade das parcerias público-privadas, por serem um motor do progresso e do reforço ao conteúdo local, almejando que o acordo contribua para o desenvolvimento sustentável de Angola.
“Esperamos pela entrada de quadros qualificados no mercado, capazes de enfrentar os desafios do sector oil e gás”, disse Jean Michel Lavergne, que sublinhou a necessidade da preparação dos alunos para a sua integração numa sociedade cada vez mais exigente.
Desde a sua entrada no país, a Total-Angola comprometeu-se a desenvolver a indústria petrolífera nacional, através de um programa de transferência de tecnologia, ao mesmo tempo que recruta e promove a formação profissional dos seus colaboradores locais. Uma atenção especial é dada à angolanização, promovendo nacionais para postos de maior responsabilidade e complexidade, onde são preparados para gerir adequadamente as suas carreiras para que correspondam às expectativas.
A Total-Angola investiu, nos últimos anos, mais de 15 milhões de dólares, realça uma nota da petrolífera, que aponta que a instituição pretende continuar com este plano por representar a chave para o sucesso da política de angolanização das equipas constituídas nos blocos onde actua.
A nota esclarece que a Total-Angola apoia igualmente os fabricantes, subcontratados e fornecedores locais, para que estes cumpram com as exigências da indústria petrolífera e desenvolvam as capacidades locais sem comprometer a qualidade, saúde, segurança e o ambiente.
Durante a sua estadia na cidade do Sumbe, o director-geral da Total-Angola e sua delegação foram recebidos pelo vice-governador do Kwanza-Sul para o sector económico, Mateus Alves de Brito, com quem abordaram aspectos ligados à cooperação com o Instituto Nacional de Petróleo.
O vice-governador afirmou que  as principais acções em curso como a construção de várias infra-estruturas de impacto social, sobretudo nos sectores da Saúde, Educação, Habitação, reparação de estradas e de pontes, abastecimento de água, energia eléctrica vão minimizar os problemas das populações.

Tempo

Multimédia