Províncias

Bens públicos são vandalizados

Victor Pedro | Sumbe

As autoridades governamentais apelam para um maior envolvimento das comunidades no combate aos diversos casos de vandalização e má conservação dos bens públicos, na província do Cuanza Sul.

Direcção da Energia e Águas e parceiros sociais traçam estratégias para se reverter o quadro
Fotografia: Victor Pedro | Sumbe

A exortação foi feita quinta-feira, no Sumbe, pela chefe de departamento da direcção local das Águas.
Elsa João falava no termo de um encontro com uma equipa do Ministério de Energia e Águas, representantes da Administração Municipal do Sumbe, autoridades tradicionais, da ordem pública, responsáveis das comissões dos bairros e da sociedade civil.
A responsável salientou que o apelo surge do facto de a província continuar a registar cenas de vandalismo, como a destruição do novo sistema de água, instalado no Sumbe, no final do ano passado, o que cria vários embaraços à implementação de novas infra-estruturas.
A chefe de departamento salientou que, para travar os casos de vandalismo, é necessária uma maior interligação entre as autoridades administrativas e tradicionais e as comunidades, para que se promovam acções de sensibilização no sentido de a população cultivar o hábito de cuidar dos bens públicos.
Desta forma, reconhece que o Estado estaria a ser ajudado a caminhar bem e a disponibilizar recursos de construção e reabilitação de sistemas de água, principalmente para zonas que nunca tenham beneficiado do projecto. Defendeu a necessidade de a informação fluir das autoridades para os munícipes, de forma que se trabalhe em conjunto no capítulo da conservação e cuidados das referidas infra-estruturas. “Se a situação prevalecer, temos de accionar os mecanismos judiciais, para punir aqueles que continuam a violar e a vandalizar os bens públicos”, disse.
O representante da comissão instaladora do novo sistema de águas da cidade do Sumbe, Edson Rita, sublinhou ser urgente a necessidade de as autoridades locais tomarem as régias da situação, que considera preocupante.  Edson Rita avançou que as cenas de vandalismo de infra-estruturas podem pôr em causa o arranque do novo sistema e do seu bom funcionamento, previsto para  o  final deste ano.
O representante da comissão salientou que já foram instalados 230 chafarizes, oito mil ligações domiciliares e 20 pontos de água na cidade do Sumbe.

Tempo

Multimédia