Províncias

Campanha agrícola está comprometida

Manuel Tomás| Sumbe

 O município de Porto Amboim, na província do Kwanza-Sul, tem registado escassez de chuva o que poderá comprometer a colheita de milho e outros produtos do campo na presente época agrícola.

Perspectiva-se fracas colheitas
Fotografia: Dombele Bernardo

O município de Porto Amboim, na província do Kwanza-Sul, tem registado escassez de chuva o que poderá comprometer a colheita de milho e outros produtos do campo na presente época agrícola.
O chefe da secção municipal da Agricultura, José Espírito Santo, disse que, para se inverter o quadro, alguns pequenos agricultores do corredor do Cambalo e do Longa enveredaram por praticar as denominadas culturas pobres.
O responsável da Agricultura, que também coordena a Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA), adiantou que, no âmbito do Programa de Extensão e Desenvolvimento Rural (PDR), foram recebidas, no ano agrícola 2009/2010, do Instituto de Desenvolvimento Agrícola (IDA), 54 toneladas de semente de milho e duas mil enxadas tradicionais, distribuídas aos camponeses locais.
De acordo com José Espírito Santo, estão enquadradas cerca de 17.800 famílias camponesas, ao passo que o PDR engloba um universo de 7.500 famílias que recebem apoio multiforme das empresas, como a Mecanagro, que, apesar das suas limitações de vária ordem, tem ajudado na preparação de terras para o cultivo.
Este ano previa-se a preparação de mil hectares, mas apenas foram preparados 500, direccionados para o programa do algodão, a cargo da empresa África-sementes, que em parceria com a Associação dos Camponeses da Denda já lavrou e semeou 400 hectares de algodão. A referida empresa também se encarregou de efectuar periodicamente fitossanitários e  posteriormente comercializar, enquanto aos camponeses foi atribuída a missão de sachar, desbastar e colher.

Falta de água e pasto

De acordo com José Espírito Santo, o município de Porto Amboim tem um efectivo pecuário estimado em mais de 35 mil cabeças de gado bovino e, embora em menor escala, as famílias também criam caprinos e ovinos.
O gado estacionado nas zonas tradicionais, nomeadamente Calele, quilómetro 28 e no corredor do Cambalo, debate-se com falta de água e pasto, visto que há dois anos o município regista falta chuva, para o abeberamento dos animais, razão pela qual se efectuam transumâncias constantes.

Tempo

Multimédia