Províncias

Conceito do pensamento foi abordado em palestra

Victor Pedro | Sumbe

Uma palestra sobre “A diferença entre pensar e pensamento”, promovida pela direcção da Escola de Formação de Professores (EFP) do Sumbe, marcou as comemorações do 35º aniversário da instituição académica.

Encontro juntou professores e estudantes
Fotografia: Kindala Manuel

O encontro juntou professores e alunos e teve como orientador o professor Moisés Massolavela, que na sua intervenção referiu que o tema em referência é uma das grandes preocupações intelectuais do mundo actual, sendo um elemento não acabado, primordial para o desenvolvimento de qualquer nação e que está em constante evolução.
O orador disse que pensar é um processo que lida com a sensibilidade do indivíduo, as coisas visíveis, fenómeno existenciais e circunstanciais, mas também com as ciências sociais, com tempo e espaço, do qual surge o pensamento.
Moisés Massolavela considerou que a universalidade de ideias e conhecimento formulam um pensamento que vem concretizar o processo intelectual do homem, sendo eterno e indiferente ao tempo, à circunstância ou à época, tornando-se inalterável, citando o pensamento filosófico de Sócrates: “só sei que nada sei”.
Para Moisés Massolavela, pensar é criar e fazer surgir ideias concretas que vêm solucionar os diversos problemas que o mundo vive, tornando o homem num ser pensante e dinâmico. Os pensamentos não surgem apenas na alegria, mas também na tristeza, salientou.
A coordenadora para a área pedagógica da EFP do Sumbe, Isabel Maria Coelho, recordou que o anterior Instituto Médio de Educação, que deu lugar á actual escola, foi fundado em Maio de 1979. Na altura, abriu com cinco salas e três cursos, o de Biologia, Química e Matemática e Física, com objectivo de formar quadros para o sector da Educação na província, de modo a cobrir a carência de professores da época.

Tempo

Multimédia