Províncias

Consórcio Comandante Loy identifica terrenos para a construção de casas para desmobilizados

Casimiro José | Sumbe

Uma delegação do consórcio “Comandante Loy” esteve de visita ao Kwanza-Sul, entre os dias 22 e 24, para, junto das autoridades da província, identificar espaços para a construção de habitações sociais para desmobilizados, no quadro do seu projecto denominado “Kussanguluka”.

Delegação do Consórcio "Comandante Loy" durante a verificação do espaço identificado
Fotografia: Casimiro José Sumbe

Uma delegação do consórcio “Comandante Loy” esteve de visita ao Kwanza-Sul, entre os dias 22 e 24, para, junto das autoridades da província, identificar espaços para a construção de habitações sociais para desmobilizados, no quadro do seu projecto denominado “Kussanguluka”.
A delegação, chefiada pelo seu presidente do conselho de administração, Domingos Francisco Barros, manteve um encontro com o vice-governador para a Área Técnica, Augusto Neto Sakongo, de quem recebeu explicações sobre as condições criadas pelo governo provincial do Kwanza-Sul para a implementação do programa de urbanismo e habitação.
Durante o encontro, a que presenciaram os directores dos organismos públicos, representantes das Forças Armadas Angolanas, do Fundo de Apoio Social (FAS), o presidente do consórcio, Domingos Francisco Barros, anunciou que a província do Kwanza-Sul vai ser contemplada com 5 mil habitações sociais, das 100 mil previstas em todo o país.
Domingos Barros pediu às autoridades locais no sentido de acelerarem o processo de identificação dos terrenos, para facilitar a preparação do “dossier” a ser remetido aos financiadores.
“Estamos a trabalhar para que até ao próximo mês de Outubro possamos ter garantias sobre as parcelas de terras disponíveis e listas de potenciais candidatos às habitações sociais nas províncias, para pudermos encetar contactos junto das instituições e organismos financiadores nacionais e estrangeiros”, esclareceu Domingos Barros.
De acordo com o presidente do consórcio “Comandante Loy”, uma das vantagens do projecto “Kussanguluca” é o facto de potenciar os beneficiários com habilidades profissionais, para que consigam rendimentos que os permita pagar, faseadamente, a sua habitação. Domingos Barros garantiu que “para os antigos combatentes, viúvas, ascendentes e órfãos que exercem artes e ofícios e os que se dedicam à agricultura, entre outras actividades geradoras de rendimentos, o projecto vai apoiar com os materiais e instrumentos que os permita trabalhar de forma condigna”.
Para o arranque do projecto, ao nível da província do Kwanza-Sul, foi identificada uma parcela de 150 hectares, nas imediações do Instituto Nacional de Petróleos (INP), no sentido norte da cidade do Sumbe, dos quais vão ser explorados 100, dada a limitação de autorização dos governos provinciais. A delegação encarou como viável o espaço e prometeu incluí-lo nas primeiras projecções do projecto “Kussanguluca”.
Para a expansão do projecto no território do Kwanza-Sul ficou encarregue o governo provincial, junto das administrações municipais, identificar parcelas de terras e potenciais beneficiários, devidamente documentados.
Para a directora provincial dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Maria Cristina Ndembi, o projecto “Kussanguluca” vem num momento certo e vale apoiar, porque vai aliviar o sofrimento por que passam os antigos combatentes, principalmente na vertente de apoio para habilidades profissionais, e prometeu engajar a instituição que dirige na sensibilização das camadas mais vulneráveis sobre as modalidades de acesso ao referido projecto.
“Temos, a partir de agora, o dever de sensibilizar os antigos combatentes sobre as modalidades de acesso às casas sociais, não se tratando de gratuidade, pois alguns pensavam assim. Estamos satisfeitos pelo facto de, futuramente, o projecto apoiar com materiais e equipamentos”, disse Cristina Ndembi.
O vice-governador da província para a organização e serviços técnicos, Augusto Neto Sakongo, manifestou-se satisfeito, em nome do governo da província, pelo facto de o consórcio “Comandante Loy” juntar-se aos esforços do executivo, no concernente a construção de habitações sociais para todos quantos se sacrificaram para a libertação de Angola. A direcção provincial dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria controla 48 antigos combatentes, 1.677 deficientes físicos, 33 viúvas, 133 ascendentes e 834 órfãos, números que, segundo a directora Maria Cristina Ndembi, tendem a aumentar, pois decorre o processo de identificação e cadastramento.

Tempo

Multimédia