Províncias

Consultas de oftalmologia para as crianças do Sumbe

Victor Pedro | Sumbe

No âmbito de um acordo de parceria assinado com o Instituto Nacional da criança (INAC), o centro oftalmológico Óptica SA, no, província do Kwanza-Sul, lançou no sábado a primeira fase do projecto de consultas grátis.

O principal objectivo da parceria é oferecer às pessoas com poucas possibilidades
Fotografia: Victor Pedro |

No âmbito de um acordo de parceria assinado com o Instituto Nacional da criança (INAC), o centro oftalmológico Óptica SA, no, província do Kwanza-Sul, lançou no sábado a primeira fase do projecto de consultas grátis.
O centro pretende dar resposta à grande procura dos seus serviços e logo no primeiro dia, a acção abrangeu um total de dez crianças com problemas de visão, cujas famílias têm baixo rendimento.
A proprietária do centro, Maria Alice Cardoso, disse que o principal objectivo da parceria é oferecer às pessoas que não têm possibilidades financeiras a oportunidade de usufruírem dos serviços de saúde ligados a oftalmologia, tendo sublinhado que o número de pacientes com problemas de visão está a crescer a nível da província. A segunda fase do projecto vai abranger crianças que vivem no meio rural.
O chefe provincial dos serviços do Instituto Nacional da Criança, Correia Bongue, afirmou que esta parceira vem cumprir uma das cláusulas mais importantes dos 11 compromissos do Executivo que garante a protecção das crianças. O responsável acrescentou que o combate às doenças consta entre as prioridades do instituto, tendo reconhecido que o INAC sempre contou com parceiros quando o assunto é a criança. “Não estamos sozinhos nesta batalha de proporcionar melhores condições para as futuras gerações”.
Alberto Horácio, encarregado de educação do pequeno Josefánio Lauriclenio, que beneficiou de consulta grátis, mostrou-se satisfeito pelo facto do seu filho ter sido consultado. “Este projecto chegou em boa hora, uma vez que não conseguia encontrar recursos financeiros para aceder aos serviços de oftalmologia, porque me encontro desempregado”.
Simão Catumbela é outro pai que se mostrou grato pela iniciativa e pediu que a acção não fique por aqui, para abranger outras famílias que padecem de problemas oftalmológicos.

Tempo

Multimédia