Províncias

Consumidores de Cariango servidos com água potável

Casimiro José | Quibala

As comunas de Banza Kissala, Bimbi, Lungo e da Mumba, no Kwanza-Sul, passaram a beneficiar de água potável no quadro do programa de assistência às comunidades rurais, com a montagem de chafarizes, lavadouros e tanques de abastecimento.

Programa de assistência às comunidades rurais chega às comunas de Banza e Bimbi
Fotografia: Casimiro José | Quibala

As comunas de Banza Kissala, Bimbi, Lungo e da Mumba, no Kwanza-Sul, passaram a beneficiar de água potável no quadro do programa de assistência às comunidades rurais, com a montagem de chafarizes, lavadouros e tanques de abastecimento.
A Associação Cristã da Mocidade do Kwanza-Sul entregou oito chafarizes, igual número de lavadouros, seis tanques de abastecimento de água potável às comunidades de Banza Kissala, Bimbi, Lungo e Mumba todas da comuna de Cariango, município da Quibala. A execução do projecto, que durou um ano, contou com um financiamento de 174 mil dólares da empresa petrolífera Statoil e da embaixada da Noruega em Angola.
Os empreendimentos vão beneficiar 1.897 pessoas, que antes percorriam longas distâncias para obter água para consumo. A água é captada em poços cujas bombas são movidas através de geradores ou painéis solalres.
O vice-presidente da Associação Cristã da Mocidade, Francisco de Oliveira, manifestou satisfação porque o fornecimento de água potável responde aos anseios das comunidades. “É para nós uma grande alegria termos concretizado um projecto que tem grande impacto na vida das pessoas”, referiu Francisco de Oliveira.
A norueguesa Vibeke Skauerud aconselhou as mulheres a cuidarem dos chafarizes, os lavadouros e os tanques de abastecimento de água, por serem elas que mais se ocupam dos cuidados domésticos. O administrador municipal da Quibala, Manuel Fernando, em nome dos habitantes da comuna, pediu a outras organizações não governamentais a seguirem este exemplo.
“O Executivo sempre contou com a colaboração dos seus parceiros sociais na solução dos problemas que afectam as populações e a entrega destes empreendimentos prova isso mesmo”, frisou.
O administrador da Quibala prometeu apoiar as populações com combustíveis e lubrificantes, para garantir o funcionamento ininterrupto dos geradores que permitem a bombagem de água para os tanques reservatórios.

Gestão dos recursos

Para a gestão dos chafarizes, sistemas de captação e lavadouros, as comunidades constituíram Grupos de Água e Saneamento (GAS), que vão recolher as contribuições das pessoas, no valor de 200 kwanzas cada família e por mês, afim de proporcionar a sua manutenção.
De acordo com os líderes comunitários, as contribuições são voluntárias, porque todos sentem a necessidade do sistema ter manutenção, porque vai permitir a sua durabilidade.
Os habitantes de quatro comunidades leram uma mensagem de agradecimento aos promotores da iniciativa e às autoridades administrativas presentes, na qual manifestam a sua alegria por verem solucionado o problema do abastecimento de água potável.
As mulheres foram as que mais aplaudiram a inauguração do sistema de água nas suas comunidades.
Teresa João, moradora do bairro Bimbi, disse ao Jornal de Angola, que antes da construção do chafariz e do lavadouro fazia enormes esforços para acarretar água do riacho, que fica a dois quilómetros da aldeia.
O soba do bairro Bimbi, José Luango, expressou alegria pela dimensão do empreendimento, que o seu povo acaba de ganhar.

Tempo

Multimédia