Províncias

Cursos de artes e ofícios com muita procura

Carlos Bastos e Manuel Tomás | Sumbe

Mais de duas mil pessoas estão inscritas para o ano formativo 2015, nos dez centros de formação profissional tutelados pelo Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), no Cuanza Sul.

Milhares de jovens inscritos nos centros de formação profissional da região
Fotografia: Paulo Mulaza |

O director provincial do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional, Ambriz Quissube, que falava na abertura do ciclo de formação 2015, disse que, devido à falta de mais salas e de formadores, apenas foram matriculados 940 formandos, nas especialidades de alvenaria, carpintaria, mecânica-auto e de frio, canalização, electricidade de baixa tensão, serralharia, corte e costura, culinária, pastelaria, decoração, artes e informática.
Todos os cursos, com excepção dos de decoração, artes e informática, que são ministrados num período de quatro meses, têm a duração de nove meses e vão decorrer nos centros dos municípios do Sumbe, Conda, Amboim, Quibala, Cela, Libolo, Kilenda e Porto-Amboim.
Ambriz Quissube exortou todos os jovens matriculados nas diferentes especialidades a se dedicarem com afinco e interesse às matérias e práticas que lhes são transmitidas, devendo constituir para todos uma oportunidade soberana para obterem uma formação profissional, que lhe é útil no futuro. O director do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional apelou aos formadores para uma maior responsabilidade nas actividades laborais, primando sempre pela dedicação, disciplina, humildade, pontualidade e assiduidade no local de trabalho.
O director provincial do Ministério da Administração Pública Trabalho e Segurança Social no Cuanza Sul, Francisco Jamba, disse que o Executivo está empenhado em proporcionar à juventude, aos desmobilizados e à população em geral, oportunidades de formação técnico-profissional, de modo a poderem participar com eficiência e eficácia no processo de reconstrução do país.
Francisco Jamba sublinhou que a formação profissional constitui uma ferramenta que viabiliza a inserção laboral a todos os cidadãos, com a criação do auto emprego, permitindo desta forma criar renda para as famílias.

Ensino primário

A comuna do Gungo, município do Sumbe, na Província do Cuanza Sul, conta com mais 16 professores do ensino primário, que concluíram sábado, na área do Eval Guerra, um curso médio com a duração de cinco anos, promovido pela Escola de Formação de Professores.
A formação foi desenvolvida em zonas de influência pedagógica, que visa fazer com que os professores não saiam das localidades onde leccionam.
Os recém-formados assumiram o compromisso de aplicar na prática os conhecimentos adquiridos durante a formação, para a melhoria da qualidade do ensino, e pediram, na ocasião, a extensão de iniciativas para mais professores sem conhecimentos pedagógicos.
Depois da outorga de certificados aos formados, o chefe da repartição municipal da Educação no Sumbe, Fonseca Rafael António, incentivou os professores a seguirem uma conduta exemplar, estabelecendo a ligação entre a escola e a comunidade.
O chefe da repartição municipal da Educação no Sumbe    sublinhou que um dos grandes desafios do Ministério da Educação assenta na melhoria da qualidade do ensino e formação contínua.
“A formação continua é   necessária por favorecer o desenvolvimento de novas competências a partir das quais emergem novas estratégias de trabalho, promovendo a inovação e a mudança dos processos do ensino e aprendizagem, bem como o aumento da eficiência do processo educativo”, explicou  Fonseca Rafael António.

Tempo

Multimédia