Províncias

Defendida maior inserção nas empresas

Casimiro José| Sumbe

O delegado do Kwanza-Sul da Associação Nacional dos Deficientes de Angola (ANDA), apelou no Sumbe às instituições públicas, privadas e sociedade em geral a continuarem a prestar apoios que concorram para a inclusão social das pessoas com deficiência.

Araújo Júlio, que falava por ocasião do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, assinalado na terça-feira, admitiu que se têm notado esforços da sociedade e das instituições para com a causa do deficiente. “Observamos uma maior aceitação das pessoas com deficiência por parte da sociedade e também a sua inserção nas empresas públicas e privadas, o que nos deixa bastante satisfeitos”, reconheceu.
O responsável disse que apesar de algumas conquistas alcançadas nos domínios da formação académica e profissional, existem outras barreiras que precisam de ser ultrapassadas, sobretudo no que se refere à arquitectura dos edifícios das instituições de ensino que não possuem rampas de acesso.
Outra preocupação apontada pelo delegado da ANDA no Kwanza-Sul está ligada à falta de apoios para a sustentabilidade dos projectos iniciados nas componentes de moto-táxi e de agro-pecuária, que estão a ser aplicados nos ­municípios do Sumbe e de Cassongue. “A nossa grande preocupação é a falta de apoios para sustentar os projectos de moto-táxi no Sumbe e de agro-pecuária que é aplicado no município de Cassongue, pois, da inspecção que fizemos notámos interesse pelos beneficiários”, frisou. Por ocasião do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, a delegação da ANDA no Kwanza-Sul promoveu um vasto programa que inclui uma reflexão sobre a data, debate radiofónico e exposição fotográfica. 
A delegação da ANDA no Kwanza-Sul controla 4.125 pessoas, entre deficientes de guerra e outros com deficiência congénita.

Tempo

Multimédia