Províncias

"É preciso prestar mais atenção às crianças"

Victor Pedro | Sumbe

Representantes do sector da Educação do ensino primário e secundário, pais e encarregados de educação analisaram, na quarta-feira, no Sumbe, Kwanza-Sul, aspectos ligados ao ensino das crianças, que é considerado débil.

Representantes do sector da Educação do ensino primário e secundário, pais e encarregados de educação analisaram, na quarta-feira, no Sumbe, Kwanza-Sul, aspectos ligados ao ensino das crianças, que é considerado débil.    
O director provincial do Instituto Nacional da Criança, Correia Palanga Bongue, pediu aos responsáveis da educação, enquadrados nas escolas dos subsistemas de ensino primário, e aos pais para prestarem mais atenção às crianças, referindo que se assim não fizerem o desenvolvimento intelectual delas estará comprometido.
“Estaríamos a matar o futuro da nação”, completou. Correia Palanga Bongue, que falava na a abertura da reunião de concertação e análise, disse que o encontro surgiu num momento oportuno porque permitiu criar e traçar mecanismos para garantir o ensino infantil, tendo em conta que o ano lectivo arrancou recentemente em todos país.
Sublinhou que o Instituto Nacional da Criança, enquanto instituição que rege e zela pelas crianças, tem procurado jogar o seu papel preponderante na articulação de todas actividades onde é necessária a sua intervenção.
No encontro, promovido pela direcção provincial do INAC, os participantes reconheceram a necessidade de melhorar as condições das escolas do ponto de vista social e defenderam que os estabelecimentos escolares obedeçam aos padrões exigidos universalmente, como, por exemplo, um espaço de recreação. 
Durante o encontro, que decorreu sob o lema “Criança prioridade absoluta”, foram abordadas questões como a organização escolar na perspectiva da carta africana sobre os direitos e bem estar da criança (CDC), apresentação do programa de acção das comissões de pais e encarregados de educação e a educação patriótica das crianças nas escolas.

Tempo

Multimédia