Províncias

Educação quer mais rapidez no envio de dados estatísticos

Carlos Bastos | Cela

As repartições municipais e as escolas devem processar e enviar os dados para as instâncias superiores com mais rapidez e dentro dos prazos estabelecidos, afirmaram os participantes no primeiro conselho técnico da direcção provincial do Kwanza-Sul da Educação, Ciência e Tecnologia.

Encontro juntou quadros da Educação
Fotografia: Jornal de Angola

As repartições municipais e as escolas devem processar e enviar os dados para as instâncias superiores com mais rapidez e dentro dos prazos estabelecidos, afirmaram os participantes no primeiro conselho técnico da direcção provincial do Kwanza-Sul da Educação, Ciência e Tecnologia.
A reunião, que começou na segunda-feira e terminou na quarta, no Wako Kungo, município da Cela, recomendou, ainda, que sejam estabelecidas, em todos os municípios, as zonas de influência pedagógica e incrementadas as bolsas de formadores provinciais.
As repartições municipais de Educação devem, igualmente, reforçar os seus níveis de colaboração com os parceiros sociais, para possibilitar que o Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar se fortaleça, ao mesmo tempo que os dados estatísticos dele resultantes devem ser fiáveis e disponibilizados em tempo oportuno à direcção provincial.
Os participantes no conselho consideraram que a criação do Magistério Primário deve obedecer às orientações superiormente emanadas nos documentos que regulam o subsistema de formação de professores.
As repartições municipais e escolas devem trabalhar na sensibilização dos pais e encarregados de educação, envolvendo as autoridades tradicionais, organizações sociais e religiosas, quanto à necessidade de remover os obstáculos ainda existentes em relação ao acesso à escola de crianças que não possuem cédula pessoal.
Dada a pertinência dos normativos sobre a legislação do sector da Educação, o conselho decidiu que deve ser feita a sua divulgação e aplicá-la a todos os níveis, com maior destaque para a proibição do vínculo duplo e para o fenómeno dos “professores itinerantes”.

Tempo

Multimédia