Províncias

Estudantes devem acautelar actos nefastos

Carlos Bastos | Sumbe

O professor universitário Ismael Freitas pediu aos estudantes do município do Sumbe para evitarem hábitos capazes de desenvolver instabilidade ambiental, por serem passíveis de produzir modificações climáticas nocivas à vida na Terra.

Decorrem acções de protecção da flora
Fotografia: Kindala Manuel

Ismael Freitas, que falava durante uma palestra sobre o Dia Internacional da Floresta e Mundial da Água, promovida pelo conselho provincial do Cuanza Sul da Juventude (CNJ), chamou a atenção para a necessidade de se evitarem queimadas anárquicas, a poluição dos rios e o abate indiscriminado de árvores e animais.
O académico, afecto ao Instituto Superior Politécnico da província do Cuanza Sul, apontou estes actos como estando na origem da emissão de gases tóxicos para a atmosfera, sendo também uma das razões do aumento do efeito de estufa e da temperatura, assim como da escassez de chuvas.
Ao referir-se à higiene e saneamento do meio, recordou tratar-se da melhor forma de prevenir doenças e manter um ambiente sadio e não poluído.
Para o secretário do Conselho Provincial da Juventude, Agostinho Miquinho Casseça, que lançou um livro sobre datas ambientais, a palestra serviu para esclarecer os estudantes sobre a importância da biodiversidade e da conservação e protecção do meio ambiente.

Livro sobre ambiente


“Este manual é o resultado da colaboração entre a juventude ecológica e a Fundação Quissama, e tem por objectivo auxiliar os professores, educadores ambientais, instituições públicas e privadas, jornalistas e outros activistas ambientais, a planificarem, programarem e executarem actividades ambientais”, referiu.
Agostinho Miquinho Casseça exortou os estudantes a organizarem actividades de educação e sensibilização ambiental, de forma divulgar a informação sobre os benefícios da adopção de padrões de vida sustentadas.

Tempo

Multimédia