Províncias

Estudantes ganham bolsas

Victor Pedro | Sumbe

Estudantes universitários dos Institutos Superiores de Ciências de Educação (ISCED) e Politécnico, sedeados na província do Kwanza-Sul, beneficiaram de 96 bolsas internas, neste ano lectivo.

Estudantes universitários dos Institutos Superiores de Ciências de Educação (ISCED) e Politécnico, sedeados na província do Kwanza-Sul, beneficiaram de 96 bolsas internas, neste ano lectivo.
De acordo com Jesus Baptista, director nacional do Instituto Nacional de Bolsas de Estudo (INABE), órgão que cedeu as referidas bolsas, a província do Kwanza-Sul foi a primeira do país a beneficiar, tendo garantido que brevemente outras regiões vão ser igualmente abrangidas por este processo.
O responsável salientou que o Executivo angolano aprovou, para o ano académico de 2011, um total de 3.009 bolsas de estudo internas para o país. Incluindo os estudantes que já beneficiam do processo desde 2008 e 2009, Angola passa a contar com mais de 9.000 bolseiros internos. Jesus Baptista considerou de positivo o processo de bolsas de estudo internas, iniciado em 2008, uma vez que já se atingiu um saldo de 91 por cento de aproveitamento.
O director do INABE referiu que este desafio que o Executivo lançou para os estudantes universitários vem projectar ainda mais a juventude para um futuro melhor, servindo igualmente de estímulo para que haja empenho por parte dos estudantes, no sentido do país ter mais quadros qualificados.
De acordo com Jesus Baptista, os estudantes interessados em obter uma bolsa devem, em primeiro lugar, candidatar-se, conhecer os regulamentos da instituição em que estão inseridos, possuir idade até 25 anos e possuir perfil académico aceitável, em todos os sentidos.
O director acrescentou que existem casos especiais para estudantes que são órfãos e filhos de antigos combatentes. Para estes, o INABE exige idade até 25 anos e os documentos que comprovem a situação de órfãos ou de filhos de antigos combatentes.
Aquele responsável aproveitou a oportunidade para chamar a atenção dos estudantes bolseiros e novos candidatos para a necessidade de haver maior responsabilidade com a condição de bolseiros, uma vez que “quem não se empenhar na sua formação não é tolerado. Perde a bolsa”, rematou.

Tempo

Multimédia