Províncias

Falta de energia e água preocupa governo local

Manuel Tomás | Sumbe

O Governador do Kwanza-Sul mostrou-se recentemente preocupado com as dificuldades de fornecimento de energia eléctrica às cidades da Gabela, Porto Amboim e Sumbe.

O Governador do Kwanza-Sul mostrou-se recentemente preocupado com as dificuldades de fornecimento de energia eléctrica às cidades da Gabela, Porto Amboim e Sumbe.
Serafim do Prado recordou à direcção da Empresa Nacional de Energia, ENE, que a entrada em funcionamento da rede hidroeléctrica de Cambambe entrou em funcionamento há dois anos, e por isso “já houve tempo suficiente para a reparação dos grupos termoeléctricos, para assegurar o  normal funcionamento fornecimento de energia quando se registam avarias”.
Como resultado da falta de reparação e das sucessivas avarias da rede hidroeléctrica de Cambambe, nos últimos dias as cidades do Sumbe, Porto Amboim e Gabela estiveram privadas de energia, “afectando a população”.
Para o governador, “algo de muito estranho se está a passar a nível do fornecimento de energia e água”, o que vai levar o seu governo a exigir um maior controlo e vigilância, e mais coerência entre os intervenientes.
Serafim do Prado, que falava num encontro do seu governo, referiu que para suprir esta lacuna foram adquiridos seis geradores para a iluminação pública das principais ruas da cidade do Sumbe, cuja assistência técnica será devidamente garantida por uma empresa que não especificou. Aos administradores municipais, o governador pediu mais “iniciativas” em áreas como a recolha do lixo, o abastecimento da água e de energia eléctrica, saneamento e outros. “Não podemos continuar a acompanhar, impávidos e serenos, o cometimento de atitudes pouco dignas, que só penalizam a comunidade e ofuscam os objectivos da governação”, enfatizou, dando como exemplo a cidade do Sumbe, que ficou privada do abastecimento de água durante três meses.
A situação levou o governo a adquirir bombas para substituição das que se encontravam na estação de tratamento e abastecimento de água, estando em curso diligências para a sua montagem e consequente reabilitação das actuais. Uma delas já funciona.  
Por outro lado, o governo projectou para este ano 28 acções, maioritariamente viradas para o sector social, avaliadas em mais de 3,5 mil milhões de kwanzas. Deste montante, mais de 2,5 mil milhões vão ser aplicados na conclusão de projectos que, por razões objectivas, transitaram do ano passado.
Serafim do Prado esclareceu que dos novos projectos constam o apetrechamento dos centros de saúde de Dala Cachibo (Kibala), Quienha e S. Lucas (Mussende), da biblioteca provincial e a aquisição de 44 ambulâncias e equipamentos fixos e móveis para a direcção local da Televisão Pública de Angola (TPA).
Está igualmente projectada a construção de 40 residências para médicos e professores .

Tempo

Multimédia