Províncias

Falta de fundos atrasa Cariango

Casimiro José| Quibala

O administrador comunal de Cariango, no Kwanza-Sul, Carlos Manuel Jacinto Barros, está preocupado com a falta de investidores do sector empresarial privado que possam contribuir para a oferta de bens e serviços às populações na região. A falta de investimentos é provocada pelas más vias de acesso.
O potencial agro-pecuário de Cariango está longe de proporcionar a criação de riqueza para suprir as necessidades das populações.

O potencial agro-pecuário do município está longe de proporcionar a criação de riqueza para suprir as necessidades das populações
Fotografia: DR

O administrador comunal de Cariango, no Kwanza-Sul, Carlos Manuel Jacinto Barros, está preocupado com a falta de investidores do sector empresarial privado que possam contribuir para a oferta de bens e serviços às populações na região. A falta de investimentos é provocada pelas más vias de acesso.
O potencial agro-pecuário de Cariango está longe de proporcionar a criação de riqueza para suprir as necessidades das populações e, em muitas localidades da comuna há falta de bens de primeira necessidade, como sabão, óleo, petróleo iluminante e outros bens indispensáveis. O administrador da comuna disse ao Jornal de Angola que Cariango tem terras férteis e rios, o que motivou a implantação do Projecto Terra do Futuro. Como é o único, não responde às necessidades de emprego.
Carlos Jacinto Barros anunciou que muitos empresários nacionais requereram terras na comuna, mas até aqui ninguém avançou com as explorações agrícolas. O estado das vias secundárias e terciárias desencoraja os investidores de avançarem com os seus projectos. Sem estradas, o escoamento dos produtos do campo para a cidade é quase impossível. Mas resolver este problema está fora do alcance da administração. Muitos produtos dos camponeses acabam por se deteriorar nos campos de cultivo, o que redunda em grandes prejuízos.
A comuna de Cariango precisa de um novo sistema de água canalizada e de uma rede de distribuição de energia eléctrica.
O administrador comunal de Cariango apela á classe empresarial para investir nestes e outros projectos, que podem criar empregos e fomentar o desenvolvimento social e económico.
"Estamos preocupados com a falta de investidores na região, porque muitos jovens, na ânsia de satisfazerem as suas necessidades, partem para a sede do município ou para outras localidades da província ao encontro de emprego e a comuna vai ficando despovoada da sua força activa", disse Carlos Jacinto Barros.

Saúde e educação

Os sectores da saúde e da educação na comuna passam por dificuldades. Cariango tem apenas um posto médico para atender 15.203 habitantes, o que está longe de satisfazer a procura.
De acordo com o administrador comunal, a situação é preocupante quando é necessário evacuar doentes. As famílias recorrem às motorizadas para percorrerem 45 quilómetros até atingir a Quibala. As enfermidades mais frequentes são a malária, diarreias, doenças respiratórias e anemias.
O sector da educação também tem dificuldades. Existem na comuna três escolas de construção definitiva, enquanto outras são provisórias. Para o presente ano lectivo, foram matriculados 1.228 alunos e estão a leccionar na comuna 29 professores. O ensino na comuna vai desde a iniciação à sétima classe. Por falta de espaços e professores, estão fora do sistema de ensino 822 crianças em idade escolar.

Agricultura e comércio

A comuna de Cariango tem potencialidades para a agro-pecuária, possuindo terras férteis para o cultivo de milho, feijão, ginguba, mandioca, palmares e banana. Estão constituídas na comuna duas associações de camponeses, mas a sua produtividade está condicionada, devido à falta de apoios em sementes melhoradas, fertilizantes, pesticidas e instrumentos de trabalho, como enxadas, catanas e charruas. O comércio funciona de forma tímida, com a existência de uma loja e cantinas que com maiores dificuldades fornecem bens de primeira necessidade às populações.
Quanto aos desafios, o administrador Carlos Manuel Barros disse que está em carteira para o presente ano a reabilitação do posto médico da comuna, a construção do sistema de abastecimento de água potável e de iluminação pública.
A sede da comuna de Cariango dista 45 quilómetros da Quibala, tem uma superfície de 3.500 quilómetros quadrados e uma população de 15.203 habitantes, repartidos por oito banzas e 34 bairros.

Tempo

Multimédia