Províncias

Fundo Global apoia combate à malária

Victor Pedro| Sumbe

O Fundo Global, em parceira com a Direcção Nacional da Saúde Pública, entregou no Sumbe viaturas e material informático, com objectivo de melhorar as acções de controlo da malária.

Representante do Programa Nacional de Controlo da Malária (à direira) no momento em que fazia a entrega dos meios de combate à doença
Fotografia: Victor Pedro| Sumbe

Dos meios entregues constam uma viatura todo-o-terreno e 12 motorizadas de pulverização, sendo uma para cada município, além de material informático.
O representante do Programa Nacional de Controlo da Malária, David Mendes, pediu aos técnicos da área para melhorarem o manuseio dos meios e demonstrarem o seu profissionalismo, com vista a evitar a propagação da doença.
David Mendes sublinhou que, com estes meios, o programa de controlo da malária no Cuanza Sul pretende minimizar as várias dificuldades que os técnicos encontram para atingir as zonas de difícil acesso e, também, facilitar a monitorização, recolha e análise dos dados.
O chefe dos recursos humanos da Direcção Provincial de Saúde, Henriques Silvestre, que agradeceu ao Fundo Global da Saúde e pediu a outras instituições para darem o seu contributo no sentido de se erradicar, de forma mais célere, o paludismo no país.
A oficial provincial do Programa de Controlo da Malária no Cuanza Sul, Yucelma Constantino, referiu que, durante o ano passado, foram registados 36 mil casos de malária na província, contra 29 mil, em 2012. Apesar do aumento de casos, Yucelma Constantino reconheceu que a província está no bom caminho na luta contra a doença, por conseguir superar o gráfico vermelho, uma vez que travou a mortalidade por malária.
Este ganho, salientou a responsável, é fruto das acções de combate empreendidas pelo sector. Por isso, pediu o envolvimento directo das comunidades e parceiros sociais na participação em acções que visam a diminuição da doença na província do Cuanza Sul.
O programa está a reforçar os vários projectos, com destaque para as campanhas anti-larvas, que consistem no combate aos focos de proliferação dos mosquitos (valas com água estagnada e lixeiras), além de palestras e entrega de mosquiteiros impregnados, para as crianças e mulheres grávidas.
Yucelma Constantino aconselhou a população a colaborar com os agentes do programa, cumprindo as orientações, como fechar as janelas das casas ao entardecer, uso do mosquiteiro, higiene nas latrinas, enterrar ou queimar o lixo, proteger os recipientes de água e recorrer o mais rápido possível a uma unidade clínica, caso seja detectado um sintoma ou sinal estranho num membro da comunidade.

Tempo

Multimédia