Províncias

Há menos iletrados no Kwanza-Sul

Victor Pedro| Sumbe

O número de analfabetos na província do Kwanza-Sul está a diminuir significativamente, graças ao Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar (PAAE), através da promoção da universalização do ensino primário nos três módulos.

Vice-governadora do Kwanza-Sul Maria de Lourdes Viegas quando fazia a entrega formal do diploma a um adulto que foi alfabetizado
Fotografia: Victor Pedro| Sumbe

A vice-governadora para a esfera política e social, Maria de Lourdes Viegas, referiu na sexta-feira, no Sumbe, que no âmbito do referido programa a província alfabetizou, durante o ano transacto, 42.578 pessoas.
Maria de Lourdes acrescentou que a alfabetização permite ao adulto saber ler e escrever sem muitas dificuldades e de forma imediata, razão pela qual é considerada fundamental para a sua inserção na vida quotidiana.
Os resultados agora alcançados reflectem o sucesso do processo, o que pode abrir novos horizontes à pessoa na comunicação com o mundo, amplia o espaço de visão e a compreensão de tudo o que ocorre à sua volta, sublinhou.

Combate à pobreza


O Governo Provincial, garantiu a vice-governadora, vai continuar a assumir o processo de alfabetização como prioridade para o desenvolvimento do Programa de Combate à Pobreza nas comunidades, através de um plano estratégico a ser desenvolvido nos próximos quatro anos. Este plano de revitalização levado a cabo pelo Governo Provincial do Kwanza-Sul constitui uma grande referência das políticas públicas no processo de alfabetização, assegurando as acções fundamentais que garantem o acesso, a permanência e a qualidade da formação, numa perspectiva que atende as necessidades dos jovens e dos adultos, esclareceu Maria de Lourdes. O programa visa, ainda, dar maior dinamismo às actividades da educação consagradas na lei.
Durante este ano lectivo frequentam o programa de Alfabetização e Aceleração Escolar um total de 71.183 pessoas, das quais 47.641 são do sexo feminino. Pelo menos 5.807 estão a seguir o método “Sim, Eu Posso”, que conta com assessoria cubana, um processo que decorre em 12 municípios da província.O programa aponta para um aumento dos números anteriores, tendo em conta que no ano passado atingiu os 28.602, correspondendo a 67 por cento. A vice-governadora anunciou que, actualmente, estão envolvidos 817 turmas, 587 professores e 1.002 alfabetizadores.

Tempo

Multimédia