Províncias

Hospital do Amboim precisa de obras

Casimiro José| Gabela

O Hospital Municipal do Amboim, província do Cuanza Sul, clama por obras de reabilitação da estrutura de cobertura, para voltar a ser uma unidade de referência e com um atendimento personalizado, disse a sua directora administrativa.

A unidade sanitária há muito que não recebe obras de reabilitação e com as chuvas o estado da infra-estrutura tende a piorar
Fotografia: Casimiro José| Gabela

Marta Ngueve disse ao Jornal de Angola que a unidade hospitalar há muito que não recebe obras de reabilitação e com as chuvas frequentes que se abatem na região o estado das suas infra-estruturas está a deteriorar-se consideravelmente, principalmente o tecto.
“Nós temos um hospital com paredes intactas, mas o tecto apresenta fissuras, que nas épocas chuvosas deixam penetrar água”, disse a directora administrativa do Hospital Municipal do Amboim.
Com a deterioração de algumas salas, por causa das águas das chuvas que penetram no interior, a unidade hospitalar conta actualmente com 150 camas para internamento, em detrimento das 250 camas que constituem a capacidade do hospital. A referida unidade hospitalar foi construída em 1932 e o actual estado é fruto da sua longevidade.
“O Hospital do Amboim conta actualmente com 83 anos de existência. Por isso, a sua degradação é fruto do tempo e apelamos aos organismos de direito no sentido de o mesmo beneficiar de obras de reabilitação, o mais cedo possível”, disse. Marta Ngueve disse que a situação foi remetida à administração municipal, que já fez constar na carteira de projectos preconizados para 2015, aguardando o aval do Governo Provincial do Cuanza Sul.
Outra preocupação apontada foi o reduzido número de técnicos de saúde, de médicos e outros especialistas.
“O Hospital Municipal do Amboim tem atendimento regional, porque recebe pacientes não só do município anfitrião, como também de outros municípios limítrofes, como Quilenda, Ebo e Conda. Por isso, deve ser reforçado com mais equipamentos e pessoal médico”, disse Marta Ngueve.
A prestação da unidade hospitalar é satisfatória e estão operacionais os serviços de Medicina Geral, Gineco-Obstetrícia, Radiologia, Estomatologia, Ortopedia, Cirurgia, Laboratório e Hemoterapia, entrando brevemente em cena os serviços de Fisioterapia e Imagiologia. O Hospital conta com oito médicos, 60 técnicos de diagnóstico e terapêutica e 66 enfermeiros de vários escalões. O pessoal auxiliar é reduzido, pois conta apenas com dois catalogadores, igual número de porteiros, um maqueiro e uma vigilante.
O Hospital Municipal do Amboim necessita com urgência de médicos para atenderem as áreas de obstetrícia, cirurgia e ortopedia. No cômputo geral, a unidade hospitalar do Amboim necessita de mais 300 enfermeiros e 25 médicos.

Tempo

Multimédia