Províncias

Inauguração da estrada entre Saurimo e Muriege

Casimiro José |Cassongue

O administrador comunal do Dumbi, Joaquim dos Santos Horta, disse ao Jornal de Angola que foi criado um programa, posteriormente enviado ao governo da província, do qual constam acções de reabilitação de infra-estruturas sociais e de habitações.

Administrador Joaquim dos Santos Horta
Fotografia: Casimiro José |Cassongue

O administrador comunal do Dumbi, Joaquim dos Santos Horta, disse ao Jornal de Angola que foi criado um programa, posteriormente enviado ao governo da província, do qual constam acções de reabilitação de infra-estruturas sociais e de habitações.
A comuna do Dumbi, nos arredores da sede do município de Cassongue, Kwanza-Sul, necessita de obras de reabilitação das suas estruturas sociais para conseguir dar resposta às necessidades da população, calculada em 46 mil habitantes, distribuídos por dez ombalas e 76 bairros. Dumbi ainda sofre os efeitos do conflito armado, apesar dos esforços da administração municipal para alterar a situação.
Com o fundo de gestão municipal de 2010, a comuna beneficiou da construção de raiz da sede da administração comunal e da residência do administrador e foram instalados equipamentos para facilitar as comunicações.
Para o próximo ano, a administração comunal já identificou as áreas de actuação e elaborou um conjunto de acções para dar continuidade à execução de projectos sociais, de acordo com a cabimentação financeira das estruturas provinciais.
Entre as acções programadas para o próximo ano, constam a requalificação da sede comunal, construção de residências para os funcionários públicos, reabilitação de estradas secundárias e terciárias e respectivas pontes.
 
 Saúde e Educação

Os sectores da Educação e da Saúde também enfrentam dificuldades de ordem conjuntural, mas, de acordo com as autoridades comunais, estão a ser feitos esforços no sentido de ultrapassar esta situação.
A rede sanitária dispõe de um centro de saúde com nove camas e dois postos médicos, um na sede da comuna e outro na localidade da Bândua e a assistência à população é garantida por 12 enfermeiros de vários escalões.
De acordo com o administrador, para reforçar o sector da Saúde são necessários mais seis postos de saúde, três centros médicos e pelo menos mais 20 enfermeiros.
Outra preocupação apontada pelo Joaquim dos Santos Horta prende-se com a falta de uma ambulância, uma vez que para evacuar doentes a população tem de recorrer a motorizadas.
O sector da Educação, por seu turno, conta com 73 salas de aula, sendo cinco de construção e, este ano lectivo, estão inscritos 2.352 alunos nos vários subsistemas de ensino. As aulas são ministradas por 145 professores.
Por falta de escolas e de professores, ficaram fora do sistema de ensino 1.031 crianças, dos seis aos 14 anos, sendo por isso necessários mais 56 professores e 30 salas de aula. Quanto ao abastecimento de água potável, a sede da comuna conta com um sistema de gravidade, mas não possui corrente eléctrica, razão pela qual vai ser instalado um grupo gerador.
No domínio da agricultura, existem quatro associações de camponeses que produzem, fundamentalmente, milho, feijão, batata-rena e doce, mandioca, ginguba e hortícolas.

Tempo

Multimédia