Províncias

Jovens aconselhados a recusar droga

Carlos Bastos | Sumbe

Alunos do Instituto Médio Politécnico do Sumbe, província do Kwanza-Sul, foram na quarta-feira aconselhados a ajudar no combate às drogas e suas consequências entre a juventude.

Quantidades de drogas foram queimadas
Fotografia: Jornal de Angola

O chefe do departamento da ordem e tranquilidade pública da Direcção Provincial da Investigação Criminal (DPIC), superintendente Mário Lino de Sousa, salientou que os jovens devem sentir-se instrumentos da luta contra as drogas.
O superintendente falava numa palestra sobre o “Consumo, uso ilícito de drogas, seus efeitos e consequências na sociedade”, no âmbito das comemorações do 26 de Junho, Dia Mundial da Luta contra a Droga, e alertou para a necessidade dos alunos conhecerem as substâncias narcóticas pesadas, como a cocaína e o crack, para melhor ajudarem a combater o consumo das mesmas.
O oficial da DPIC defendeu que devem ser realizadas mais palestras, uma vez que elas ajudam a despertar a atenção da sociedade para a necessidade da educação familiar contra as drogas, mostrando às pessoas que os problemas podem ser ultrapassados sem ser necessário refugiarem-se nessas substâncias.Lino de Sousa referiu que as drogas contribuem substancialmente para o aumento de casos de doenças de transmissão sexual e da tuberculose, além de outras enfermidades, e considerou de alarmante o facto de muitas pessoas começarem a beber álcool e a consumir drogas logo de manhã, tanto nas zonas urbanas, como nas comunidades rurais.
“Esta prática retira todo o pensamento construtivo de um homem, que podia ser útil à sociedade”, salientou. Os efeitos da droga variam de acordo com as doses, modo de consumo por indivíduo, idade, estatura, peso corporal, estado de saúde e factores psicológicos, que provocam dependência física ou psíquica, explicou.
O oficial considerou ser imprescindível a participação activa das associações político-partidárias e juvenis na sensibilização da sociedade, com vista a evitar o consumo abusivo de drogas.
Aproveitou ainda a oportunidade para chamar a atenção das autoridades tradicionais e religiosas, no sentido de reforçarem o esclarecimento das populações sobre as consequências do consumo e uso de drogas.
Mário Lino de Sousa lembrou que falar do mal que as drogas causam na vida do ser humano é uma forma de sensibilização e de redução dos índices de abuso no consumo, e exortou os adultos a serem exemplos positivos para os mais novos. Palestras sobre o uso e consequências das drogas já foram promovidas no Instituto Nacional de Petróleos, nas escolas do I e II ciclo do Sumbe, actividades que contam com a participação em massa de professores, trabalhadores administrativos e alunos.

Tempo

Multimédia