Províncias

Mais de mil toneladas de gesso

Manuel Tomás|Sumbe

A Super-gesso, única fábrica no país vocacionada para a exploração e transformação do gesso, prevê aumentar este ano os níveis de produção em mais de 20 por cento.

O empreendimento de capital privado entrou em funcionamento há dois anos
Fotografia: Manuel Tomás | Sumbe

A Super-gesso, única fábrica no país vocacionada para a exploração e transformação do gesso, prevê aumentar este ano os níveis de produção em mais de 20 por cento. O objectivo é superar as quantidades alcançadas no ano passado, que se cifraram em 70 mil toneladas de gipsita, 25 mil placas para tecto falso, cinco mil blocos, outras duas mil de gesso, entre outros produtos utilizados, em particular no ramo da construção civil.
O director-geral da Super-gesso indústria e comércio, Leonardo Tavares, disse ao Jornal de Angola que a fábrica tem uma capacidade instalada estimada em10 toneladas/ mês, tendo considerado o ano económico transacto difícil para empresa, devido à crise financeira que afectou muitos sectores, entre os quais o da construção civil, principal cliente.
Localizado no alto Chingo, arredores do Sumbe, o empreendimento, de capital privado, entrou em funcionamento em Março de 2009, depois de serem efectuados testes preliminares. Possuindo uma área de concessão calculada em 229 hectares, segundo estudos geológicos, a jazida mineral da gipsita tem reservas que podem ser exploradas num período de 300 anos.
De acordo com Leonardo Tavares, a empresa tem como prioridade a produção de gipsita e seus derivados e confecciona blocos de gesso utilizados na execução de paredes e divisórias internas de residências, placas de gesso para a fundição usada nas fábricas de pré-moldados de gesso, blocos, placas, entre outros materiais. Além disso, produz gesso agrícola para melhoria dos solos e brevemente vai lançar no mercado nacional gesso medicinal. Leonardo Tavares garantiu que o funcionamento da fábrica veio dar resposta às necessidades da matéria-prima para o fabrico de cimento, que antes era importada da Europa.
“Em tempos idos, a matéria-prima utilizada pela Cimangola para o fabrico de cimento era importada da Europa, mas com a entrada em funcionamento da Super-gesso a gipsita britada, produzida no Sumbe, reduziu significativamente as importações deste produto”, frisou o responsável.A empresa dispõe de um laboratório de análise.

Tempo

Multimédia