Províncias

Malária regista baixa considerável no Cuanza Sul

Manuel Tomás | Sumbe

Os casos de malária na província do Cuanza Sul estão a registar baixas consideráveis, desde a aplicação, há cerca de quatro anos, do Projecto de Iniciativa Presidencial Americana de Controlo Nacional da Malária (PMI), revelou ontem, na cidade do Sumbe, a coordenadora da CONSAÚDE no Cuanza Sul.

Autoridades prometem continuar a desenvolver esforços para haver cada vez menos pessoas infectados e a morrer pelo paludismo
Fotografia: Eduardo Pedro

Matilde e Sousa referiu que a aplicação do programa contribuiu para a mudança de comportamento da população, com destaque para a adesão maciça das mulheres nas consultas pré-natais e no seguimento de prevenção da malária na gravidez.
A CONSAÚDE (Consultoria de Gestão e Administração da Saúde) dispõe de um supervisor e dois técnicos de avaliação e monitorização, tendo sublinhado que tem um stock suficiente de medicamentos para a prevenção da malária em todas as localidades da província.
A coordenadora avançou ainda que estão planificadas, para o ano em curso, a continuação das formações dos técnicos e supervisores dos laboratórios e unidades sanitárias, supervisões nos laboratórios, controle da qualidade das lâminas, entre outras acções.
Em Benguela, de acordo com o responsável local da CONSAÚDE, João Lino Rafael, os resultados na luta contra a malária também são positivos, desde a aplicação do projecto, em 2009. Rafael disse que há uma considerável baixa da incidência, prevalência de casos e da mortalidade por malária, tendo em conta o envolvimento do Executivo e de parceiros sociais.
Os resultados são igualmente fruto da capacitação permanente dos técnicos, do melhor manuseio dos casos de malária nas unidades sanitárias da periferia, encaminhamento das mulheres grávidas para as consultas pré-natais, entre outros.

Milhares de formados

Mais de três mil técnicos de saúde, de apoio aos laboratórios da rede sanitária de oito províncias do país e de supervisões formativas para o combate à malária foram abrangidos pelo Projecto de Iniciativa Presidencial Americana de Controlo Nacional da Malária (PMI), revelou o oficial de monitorização e avaliação do programa. Fernando David adiantou que com a formação dos técnicos, com novas estratégias de combate à doença, as autoridades sanitárias têm registado uma diminuição considerável de casos de malária.
Fernando David considerou de positivo o balanço das actividadesdesenvolvidas no último trimestre do ano transacto e disse que as acções vão ser redobradas para que menos pessoas morram e sejam afectadas pelo paludismo.
As províncias não contempladas pelo projecto de iniciativa do Presidente norte-americano são assistidas pelo Fundo Global, que também apoia o projecto do programa da malária, VIH/Sida e tuberculose.
A responsabilidade da USAID, PMI e World Learning confina-se apenas em oito províncias do país, enquanto as restantes implementam programas e projectos apoiados por outras organizações não-governamentais internacionais.
O projecto é liderado pelo World Learning e financiado pela Iniciativa Presidencial dos Estados Unidos da América, através da USAID e encontra-se no seu quarto ano de execução no Cuanza Sul, Benguela, Huambo, Malanje, Cuanza Norte, Uíge, Zaire e Huíla. O projecto contempla áreas  de formação, capacitação de técnicos do sector da Saúde, reforço dos serviços laboratoriais e da cadeia de distribuição de medicamentos, informação e sensibilização das comunidades.

Tempo

Multimédia