Províncias

Maternidade preocupada com o aumento de casos

Victor Pedro| Sumbe

A Maternidade Provincial do Hospital 17 de Setembro no Sumbe, egistou no ano passado, 705 casos de adolescentes com gravidez precoce, contra 648 do ano anterior, informou o director administrativo da unidade sanitária, que caracterizou a situação preocupante. 

Autoridades sanitárias propõem introdução no sistema de ensino de disciplinas que abordem assuntos ligados ao sexo e suas consequências
Fotografia: JA|IMAGEM

Augusto Colile disse que a apesar da situação, no ano de 2014 houve melhoria no nível de atendimento comparativamente a 2013, nas especialidades de Neonatologia, Ginecologia e Obstetrícia. No ano passado foram realizados cinco mil partos, menos 316 em relação ao ano de 2013, dos quais1.553 por cesariana e 89 por ventosa. A Maternidade Provincial do Hospital 17 de Setembro registou  4. 031 partos normais, menos 67 em relação ao ano de 2013. Foram realizadas 9.686 consultas externas, contra 10.010 em 2013.
O director administrativo da Maternidade Provincial do Cuanza Sul, Augusto Colile, alertou as famílias e organizações não governamentais para promoverem o diálogo permanente com os jovens, onde devem abordar questões relacionadas com o sexo e as suas consequências, a fim de se evitar o aumento de adolescentes com gravidez precoce.
Augusto Colile disse que a Maternidade tem mantido um intercâmbio com instituições escolares de diferentes níveis e igrejas, para que nos seus currículos sejam abordados temas ou disciplinas que abordem assuntos sobre o sexo, educação moral e cívica, educação para saúde, uma forma de combater práticas anti-sociais no seio da sociedade.
A Maternidade do o 17 de Setembro tem uma capacidade de 80 camas, mas por falta de espaço apenas são utilizadas 62, insuficientes para dar resposta às inúmeras solicitações.
O director administrativo disse que durante o ano passado se registou uma diminuição do número de parturientes atendidas, devido à abertura de mais centros materno infantis na periferia, em alguns municípios e comunas da província. Para o melhor atendimento às populações, disse que em 2013 começou a requalificação da Maternidade, com a introdução de novos equipamentos, o que permitiu alargar o seu raio de acção, dando mais conforto e comodidade às parturientes.
Augusto Colile informou que regularmente a unidade sanitária tem realizado acções de formação contínua dos seus quadros, para o aumento dos níveis de conhecimentos de acordo com as áreas específicas de cada técnico, com objectivo de se alcançar a qualidade exigida.
O hospital tem 201 funcionários, sendo dez médicos, três técnicos especializados em saúde materno-infantil, 32 técnicos formados em enfermagem, 46 auxiliares de enfermagem e oito auxiliares técnicos de diagnóstico terapêutico. Conta ainda com quatro técnicos de diagnóstico terapêutico, 20 administrativos, 15 auxiliares de limpeza, oito cozinheiras, nove catalogadores, 14 vigilantes, sete maqueiros, oito operadores de lavandarias e de outras áreas.

Tempo

Multimédia