Províncias

Mau estado das estradas trava desenvolvimento

Victor Pedro | Sumbe

As autoridades tradicionais do Cuanza Sul manifestaram sábado preocupação com a falta de energia eléctrica que se regista no interior da província e do mau estado das vias secundárias e terciárias que tem dificultado o desenvolvimento social e económico nas comunas e aldeias.

Reabiltação de estradas constitui prioridade
Fotografia: Eduardo Pedro

As preocupações dos sobas e seculos foram apresentadas durante um encontro com o governador provincial do Cuanza Sul, Eusébio de Brito Teixeira, no qual insistiram na necessidade do aumento do número de professores, escolas, enfermeiros e auxiliares nos postos e centros médicos.
Os representantes das diferentes comunidades do interior defenderam ainda a melhoria no abastecimento de medicamentos aos postos e centros de Saúde, para evitar que as populações percorram longas distâncias para receber assistência médica nos hospitais municipais da Cela, Conda, Ebo, Mussende, Kilenda e Quibala.
Também foram apresentadas preocupações relacionadas com a falta equipamentos para a preparação da campanha agrícola 2015/2016, sobre a construção de casas em todos os municípios, assim como o abastecimento de água potável.
Outros assuntos abordados estão relacionados com a inexistência de agências bancárias nos municípios, de operadoras de telefonia móvel, de empresas de distribuição de combustíveis, bem como o reduzido policiamento nas comunas, aldeias e bairros.
O governador Eusébio de Brito Teixeira garantiu que as preocupações levantadas vão ser  solucionadas pelo Executivo e o Governo Provincia.
Em relação ao mau estado das vias rodoviárias, Eusébio de Brito Teixeira revelou terem sido já adjudicadas as obras dos troços Quibala/Pombuige/Lonhe, Catofe/Sanga/Lonhe, Sanga/Bimbe em direcção ao Huambo, Cassongue/Sanga/Bimbe, Capolo/Cabassa, Pambangala/Menga, Capolo/Massango/Waku-Kungo e Ambuiva/Cunju/Conda.
Na província do Cuanza Sul está também em curso a construção de um Instituto Médio no município do Ebo, do Instituto Superior de Ciências de Educação do Sumbe e hospitais no Sumbe e Porto-Amboim. As obras são financiadas pela linha de crédito da China.

Tempo

Multimédia