Províncias

Obras ficam concluídas dentro de três anos

Casimiro José | Sumbe

As obras de requalificação das cidades do Sumbe, Porto Amboim e Gabela, no Cuanza Sul, a cargo da empresa Odebrecht, vão ser executadas dentro dos prazos contratuais e ficam concluídas em 2017, garantiu o presidente da construtora brasileira para Angola.

Um pormenor da cidade do Sumbe que dentro de pouco tempo vai passar a ter uma nova imagem com o projecto de requalificação em curso
Fotografia: Fernando Camilo | Wako-Kungo

António Carlos Daiha Blando, que se encontra em visita de trabalho ao Cuanza Sul, onde verificou o andamento das obras na cidade do Sumbe, na presença do governador da província, Eusébio de Brito Teixeira, prometeu concluir as obras nos prazos estabelecidos e disse esperar da população maior compreensão pelos constrangimentos que venham a causar durante o período dos trabalhos.
A Odebrecht opera em Angola desde 1984 e, segundo o seu presidente, as obras de requalificação que decorrem na província do Cuanza Sul são uma das maiores empreitadas da sua empresa no país, o que constitui motivo de satisfação para a construtora.
“Estamos cientes dos trabalhos que estão a ser efectuados no Cuanza Sul e acreditamos que após a conclusão das obras vão perceber que valeu a pena  o esforço, pois todos sairemos a ganhar, vamos ter cidades com imagens diferentes da actual”, garantiu António Carlos Daiha Blando.
O presidente da construtora brasileira manifestou satisfação por saber que as obras em execução vão garantir o bem-estar das comunidades e disse que  a Odebrecht vai trabalhar com disciplina para que haja uma boa receptividade das autoridades e também da população.
Neste momento,  disse o responsável, os trabalhos de requalificação das cidades do Sumbe, Porto Amboim e Gabela estão em fase de verificação dos sistemas de água e de energia eléctrica, seguindo a macrodrenagem e a pavimentação.
António Daiha Blando reconheceu o bom ritmo em que decorrem as obras, superados que estão os constrangimentos iniciais.
 Acrescentou que no final da empreitada das três cidades, previstas para Junho de 2017,  os municípios podem atingir patamares de desenvolvimento de acordo com os padrões das cidades modernas. Durante a apresentação sumária dos projectos, o gerente de produção da Odebrecht, António Neto, garantiu que as obras na cidade do Sumbe estão com  um nível de execução física aceitável, com 95 por cento das redes técnicas, terraplanagem com 85 por cento, pavimentação com 78 por cento, enquanto as obras civis estão na ordem de 49 por cento. Fazendo a caracterização por componentes, o gerente de produção da Odebrecht referiu que 6.593.10 metros foram executados com os serviços de drenagem, 4.546.30 metros com os serviços de água, 8.301 metros de esgotos, 3.211 metros de pavimentação, 7.061 de lancis e 4.977 metros de passeios.
Na cidade da Gabela, António Neto informou que as obras de requalificação são as que estão mais avançadas, estando na ordem 95 por cento nas redes técnicas, 91 por cento na terraplenagem, a pavimentação está concluída em 70 por cento e as obras civis em 71 por cento.
Em relação à cidade de Porto Amboim, o gerente de produção da Odebrecht garantiu que o processo também vai decorrer nos moldes acordados, com o canal um de drenagem executado já na ordem de 100 por cento.
O governador do Cuanza Sul, Eusébio de Brito Teixeira, agradeceu a visita do presidente da empresa Odebrecht para Angola e considerou importante impulsionar o ritmo das obras de requalificação das cidades do Sumbe, Porto Amboim e Gabela.
“Estamos convictos de que a vossa visita, para constatar o andamento das obras, é um grande impulso para novas fases de implementação dos projectos”, disse o governador.
O projecto de requalificação das cidades do Sumbe, Porto Amboim e Gabela é de âmbito central e foi lançado em 2007, tendo sofrido um interregno devido à crise financeira mundial, sendo retomado em 2012.

Tempo

Multimédia