Províncias

Organização holandesa garante apoio a instituições que façam alfabetização

Casimiro José | Sumbe

A Organização Não-Governamental (ONG) holandesa, ICCO, que financia projectos de desenvolvimento e de alfabetização em Angola, garantiu ontem, no Sumbe, província do Kwanza-Sul, que vai continuar a apoiar os parceiros locais.

A Organização Não-Governamental (ONG) holandesa, ICCO, que financia projectos de desenvolvimento e de alfabetização em Angola, garantiu ontem, no Sumbe, província do Kwanza-Sul, que vai continuar a apoiar os parceiros locais.
A responsável pela comunicação da ICCO, Marielle Van Stiphont, avançou que, apesar dos financiamentos sofrerem uma redução significativa devido às repercussões da crise financeira dos países e instituições doadores, a organização vai manter os apoios.
Para atenuar os efeitos da redução dos financiamentos, considerou ser necessário o incremento de projectos empreendedores pelas ONG angolanas e a criação de outras parcerias que possam sustentar as acções em curso, salvaguardando os anseios das comunidades beneficiárias. Os representantes das ONG e associações que intervêm nas acções de desenvolvimento e alfabetização no Kwanza-Sul, até aqui suportadas pela ICCO, manifestaram-se preocupadas com a situação actual dos financiamentos pelos doadores internacionais.
Izilda Flávia Culófua, da Associação Angolana para a Educação de Adultos (AAEA), disse que a redução dos financiamentos cria embaraços às comunidades que já estão inseridas no processo de alfabetização.
O representante Clusa-Proagro, que desenvolve o projecto no Amboim, Álvaro Veloso, afirmou que a ajuda da ICCO tem tido um papel relevante no que concerne à promoção dos valores de associativismo e identificação de mercados solidários para a comercialização dos produtos dos associados, com destaque para o café.
A ICCO desenvolve parcerias há mais de 20 anos, no país, e apoia projectos de desenvolvimento e de educação de jovens e adultos, num universo de 12.085 beneficiários, dentre empreendedores, camponeses associados, alfabetizadores, produtores de banana e crianças órfãs. A ICCO, que reuniu no sábado as associações e trabalha em programas de desenvolvimento de alfabetização, tem os seus beneficiários distribuídos pelas províncias de Luanda, Kwanza-Sul, Bengo, Benguela e Zaire.
No encontro em que participaram responsáveis e técnicos das organizações, como a Associação Angolana para Educação de Adultos (AAEA), a Associação Cristã da Mocidade (ACM) e as associações Clusa-Proagro e Cesacoopa, foram abordadas questões relacionadas com as técnicas de desenho de projectos comunitários, alcance dos objectivos e mudanças operadas.
Outros aspectos debatidos no encontro relacionaram-se com as estratégias de comunicação das ONG junto dos doadores e outros interessados, bem como da focalização dos aspectos específicos, mensuráveis, resultado e tempo de um determinado projecto a ser submetido aos doadores.

Tempo

Multimédia