Províncias

Porto Amboim relança cultura de algodão

Casimiro José | Porto Amboim

O município de Porto Amboim, na província do Cuanza Sul, pretende relançar a cultura do algodão, para diversificar a economia na região e, ao mesmo tempo, criar condições que propiciem a geração de postos de trabalho e autonomia económica das famílias.

Autoridades de Porto Amboim pretendem devolver à região o título que ostentava na época colonial de potência da cultura de algodão
Fotografia: Francisco Bernardo

A garantia foi dada ontem pelo administrador municipal, Joaquim de Almeida Júnior, que disse ao Jornal de Angola estarem em curso contactos para atrair investidores nacionais e estrangeiros, para a concretização do programa.
O administrador municipal de Porto Amboim disse que a região foi, durante o  sistema colonial português, uma potência desta cultura e  pretende  resgatar este feito. “O município de Porto Amboim foi, durante a época colonial, uma potência na cultura do algodão, tendo em conta os solos férteis e condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da cultura, por isso estamos a manter contactos com empresários nacionais e estrangeiros para que possam investir no nosso município”, assegurou.

Projectos em curso

Joaquim de Almeida Júnior garantiu que as terras estão disponíveis, bem como sistemas de regadio, através dos rios Queve, Longa e Nhia. “Temos terras aráveis e rios de grande caudal, que permitem o regadio ininterrupto, uma vez que o algodoeiro precisa de bastante água, para crescer e produzir”, frisou.
O administrador municipal de Porto Amboim avançou que a implantação do programa da cultura do algodão é aguardada com grande expectativa nas comunidades, pelos benefícios económicos, financeiros e sociais, bem como para o desenvolvimento da região.
“O programa de relançamento da cultura do algodão é um imperativo que pode trazer muitos benefícios, sobretudo os de ordem económica e social para as famílias, porque vai retirar do desemprego muitas pessoas, que aguardam por uma oportunidade de ingresso numa actividade socialmente útil”, disse.
Lançou um apelo aos empresários nacionais e estrangeiros com capacidade financeira para investirem em Porto Amboim e garantiu apoio em termos de disponibilização de terras e outros meios necessários. Dos projectos em curso para o corrente ano, Joaquim de Almeida Júnior destacou a execução das acções de tapa buracos nas principais artérias da cidade, conclusão da vala de drenagem e continuidade do processo de melhoramento do saneamento básico, bem como apoio às mulheres que são chefes de famílias.
Quanto aos desafios para os próximos tempos, o administrador municipal de Porto Amboim anunciou a construção da nova conduta de água, reposição da iluminação pública, formação de jovens na componente de metalomecânica, para suprir as necessidades de emprego e a construção de represas de água para apoiar a agricultura familiar.
Quanto às principais preocupações durante o seu mandato, que já conta sete meses, Joaquim de Almeida Júnior apontou o desemprego no seio dos jovens.
“Temos na cidade de Porto Amboim empresas do ramo metalomecânico, como a Paenal, Heerema Group e tantas outras que empregavam muitos jovens, mas, com a crise,  elas estão a despedir trabalhadores, o que nos preocupa, uma vez que o desemprego gera criminalidade”, concluiu o administrador municipal de Porto Amboim.

Tempo

Multimédia