Províncias

Programa de inserção lançado no Cuanza Sul

Manuel Tomás | Sumbe

Um pacote de acções foi lançado pela Associação Nacional de Deficientes de Angola (ANDA), na província do Cuanza Sul, para beneficiar, numa primeira fase, um total de 1.750 associados e suas respectivas famílias.

Autoridades continuam a implementar vários programas para melhorar a vida de pessoas com deficiências físicas
Fotografia: Kindala Manuel

Denominado “ANDA Deficiente”, o programa vai abranger um total de 4.025 inscritos na associação a nível da província e visa a inserção social das pessoas com deficiência.
O secretário-geral da ANDA, Pedro Manuel Lourenço, avançou que, neste momento, a instituição está a realizar um trabalho de cadastramento dos candidatos em todas as localidades, para que se possa enquadrar um maior número de associados.
Explicou que, com o projecto “ANDA Deficiente”, vão ser criados 15 quiosques em diversos pontos da cidade do Sumbe, para que se vendam diversos produtos, no sentido de gerar rendimentos para a associação, os associados e seus familiares.
Pedro Lourenço falava no âmbito da visita de constatação, na província, do funcionamento do projecto de pesca artesanal, lançado há três meses, com vista a permitir a reintegração social de 7.450 pessoas com deficiência controladas pela ANDA, na província do Cuanza Sul. O responsável disse que o programa de pesca artesanal conta com duas embarcações de médio porte, ambas manejadas por 12 marinheiros, com vista a angariar fundos para o sustento das famílias das pessoas com deficiência, uma vez considerar a pensão que auferem de exígua. Esclareceu que a execução deste projecto de pesca artesanal orçou em cerca de 2,5 milhões de kwanzas. Desde Julho, altura da inauguração das embarcações atribuídas à uma cooperativa dos associados da comuna do Quicombo, foram capturadas cerca de 30 toneladas de pescado diverso, que foi comercializado localmente.
Para os próximos tempos, informou o secretário-geral da ANDA, prevê-se abastecer as municipalidades do interior da província e, posteriormente ,outras províncias do país.
Instituição de utilidade publica
Pedro Manuel Lourenço mostrou satisfação pelo facto de a ANDA passar a ser uma instituição de utilidade pública, o que tem contribuído para a sustentabilidade da associação e dos seus associados.
O secretário-geral salientou que este feito se deve aos esforços do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na criação de melhores condições sociais de vida para os antigos combatentes e veteranos da pátria, pessoas com deficiência,
viúvas, órfãos de antigos combatentes, entre outros.
A ANDA, que controla um total de 453.066 membros de ambos os sexos, tem em carteira a extensão dos seus serviços a todos os municípios e comunas do país, para reintegração socioeconómica dos associados.

Tempo

Multimédia